Obsessão, um sentimento que pode arruinar relações

Até onde é preocupação? Onde passa a ser obsessão?

Todos nos já tivemos uma preocupação com alguém, que perturbou nossa mente e nos deixou aflitos. Isso é normal. Desde que não prejudique excessivamente o caminhar de nossas vidas.

Quando amamos alguém certamente nos preocupamos com aquela pessoa. Mas, há pessoas que se preocupam mais do que o normal, com coisas ou pessoas que não merecem, ou precisem de tanta atenção ou angústia. Gerando ai um sentimento obsessivo.

 As obsessões são a prisão do pensamento

Embora a possessividade, o ciúmes em excesso, a dependência e a obsessão sejam sentimentos geralmente associados aos relacionamentos amorosos, eles podem se manifestar em qualquer tipo de relação. A obsessão esta ligada com traumas vividos. Indivíduos que desenvolvem obsessão por alguém, são aqueles que nutrem um medo muito grande do abandono e da rejeição. Um temor que normalmente está associado à vivência de situações de rejeição durante a infância.

A bipolaridade também esta associada à obsessão. Pessoas que desenvolve esse sentimento tem grande insegurança, falta de autoconhecimento, autocontrole e autoestima.

 Existem vários tipos de obsessão.

Seja por pai, mãe, namorado (a), marido, esposa, filhos. Existem também as obsessão por situações. Obsessão por perfeição, por limpeza, obsessão por trabalho, por dinheiro… Tudo que ultrapasse a linha do normal e prejudique sua vida esta se caminhando para um problema que precisa ser tratado: uma obsessão.

Conviver com pessoas obsessivas é muito desgastante, uma vez que elas tendem a exigir muito e não deixam espaço para outros interesses e necessidades. E muitas dessas pessoas, têm ciência de sua obsessão, tem o desejo de se livrar dela, mas não sabem como. Há muitos casos em que o sentimento obsessivo leva a violência e ate mesmo a tragédias.

Faço o curso: http://www.apsicologiaonline.com.br/produto/etapas-para-o-crescimento-dos-meus-relacionamentos/

 

O poder das redes sociais

Em pleno ano de 2018, difícil é encontrar alguém que não use nenhuma rede social. Essa tecnologia que a cada dia vem ganhando mais espaço em nossas vidas, com suas inovações, cresce mais e nos deixa por vezes mais dependentes desse meio.

Você já se imaginou sem seu celular? Whatsapp? Facebook? Instagram?

Como foi que essas redes sociais, ganharam tanto poder sobre nossas vidas, a ponto de mudar tanto a nossa forma de comunicação e relacionamentos?

Em tempos de correria, tantos afazeres, compromissos, obrigações, qualquer coisa que nos dê um pouco de praticidade e comodidade já nos fascina e nos aprisiona.  E mesmo  que inconscientemente, nos deixamos levar, pelo simples fato de podermos resolver tudo com mais praticidade, seja pelo celular  ou pelas redes sociais.

Por  vezes, esquecemos do valor que tem uma conversa, um olho no olho, uma presença física, um gesto de carinho presencial. Ficamos tão deslumbrados com o poder da internet que muitas coisas passam despercebidas ao nosso redor.

Saiba que filhos, pais, avós, esposas, maridos, por muitas vezes são deixados de lado, pelo vício que nos cerca. Por vezes eles querem um diálogo, um olho no olho, pedem socorro, e nós estamos tão ocupados com nossos celulares que nem se quer conseguimos notar.

Saiba que devido ao mau uso das redes sociais os índices de suicídio, depressão, entre outros… Tem aumentado gradativamente.

Diante de tudo, sabemos os  benefícios da internet. Encontramos muitas coisas produtivas, informações, adquirimos muitos conhecimentos. Mas VIGIE;  analise até onde tem sido bom e saudável,  onde tem privado os relacionamentos saudáveis, e também  uma boa convivência com os que te cercam.

Talvez nossos pais, avós, ainda não tiveram um contato com as redes sociais, por isso muitas vezes podem se sentir sozinhos, solitários, deslocados, necessitados de carinho e atenção.

Depoimento

”Já presenciei uma cena a qual me fez refletir. Duas irmãs, uma chegou na casa da outra. Uma não tinha contato com redes sociais, a outra por sinal era bem antenada. Tudo que a irmã conversava com a outra irmã antenada não obtinha respostas,  não  demonstrava interesse, por  vezes se ouvia uma resposta do tipo – a, é, aham, ata.  A irmã que estava tão ligada às redes sociais, nem se quer conseguia prestar atenção no que a irmã falava. Frustrada e aparentemente triste, aquela irmã foi embora.  E somente depois de meia hora a irmã notou sua ausência.“

Reflita, é esse tipo relacionamento que você quer ter?

Se não, comece a vigiar e a ter  aquele tempinho  precioso para realmente estar com alguém. Em um mundo tão tecnológico, vamos saber usufruir com sabedoria desse mundo. Vamos valorizar uma conversa, um olho no olho, um gesto de carinho presencial.

Assim, depois dessa reflexão pergunte a si mesmo: qual o valor da sua atenção para com o outro? E saiba que dependência excessiva por redes sociais tem de ser tratada.

Como a psicologia pode ajudar?

É preciso reconhecer o problema e procurar ajuda. A busca por um tratamento psicológico traz resultados positivos, pois o psicólogo auxilia o viciado a entender o que está acontecendo e o que o levou à necessidade tão grande de estar sempre conectado.

Seja por uma fuga da realidade, por dificuldade de relacionamentos reais ou até a busca pela perfeição, que muitas vezes se alcança apenas nas redes sociais. Descobrindo o motivo fica mais fácil de tratar e solucionar o problema. O psicólogo poderá conduzir o paciente a um equilíbrio. O equilíbrio e o autoconhecimento é a base para se viver bem e feliz.

27 de agosto, dia da Psicóloga

Deixo aqui os meus parabéns a todos os companheiros de profissão.

Um Obrigada a todos que valorizam e sabem a importância da psicologia nos dias atuais.

 

Depoimento de uma paciente.

“Fiz terapia durante 12 meses. No inicio tive muita dificuldade em me abrir, em aceitar as mudanças e a ouvir. Passado um tempo comecei a notar uma pequena melhora no meu jeito de agir e pensar diante de tantos problemas que estava passando. Pensei por muitas vezes desistir da terapia, mas me mantive firme. E quando minha psicóloga me deu alta, juro que queria continuar ali. Hoje vejo o quanto tudo valeu a pena, faria tudo de novo. Todos nós precisamos nos dar essa oportunidade. Hoje me sinto muito mais segura, apta a decidir corretamente. Vivo mais tranquila, feliz e leve. Dou ao problema o tamanho que ele realmente tem.”.

 

Como Lidar com a Ansiedade

10 passos para verificar seu grau de ansiedade.

  1. Escreva. Pegue papel e caneta e escreva tudo que lhe vier à cabeça. Depois jogue tudo fora.
  2. Observar o presente. Direcione sua atenção para o momento presente e o ambiente externo. Às vezes ficamos inquietos com relação ao futuro.
  3. Relaxe. Pense em alguma coisa que lhe dê muito prazer e esteja acessível: uma comida, uma fruta, sorvete, banho quente, etc. Faça a sua escolha, sinta prazer no que for possível e fique usufrua da melhor maneira possível.

4) Exercício de integração dos lados direito e esquerdo do cérebro. De pé, sucessivamente levante um joelho e toque-o com a palma da mão do lado oposto, isto é, palma da mão direita no joelho esquerdo e vice-versa, depois faça o mesmo para a outra perna/braço. Comece devagar e vá aumentando a velocidade gradativamente.

5) Acredite. Às vezes não agimos por falta de uma crença na possibilidade de achar uma solução.

6) Ria – Veja, assista ou leia algo de humor. O riso alivia.

7) Autoconhecimento. Ligue a “câmera mental” e procure informações sobre o que está acontecendo internamente. Você pode fazer perguntas: “Em que estou pensando?” “O que estou imaginando?” “Que filme estou repetindo?”

8) Algo de bom. Pergunte-se: “O que essa emoção pode conter de benéfico para mim?” Apenas escute a resposta.

9) Gaste energia –  Faça uma caminhada, corra, dance, vá para a academia ou pratique um esporte, massagem, escute uma música, viva sua espiritualidade.

10) Espere passar – Tem coisas que acontecem com as quais não precisamos fazer nada, apenas esperar, como um temporal.

Fonte: Virgílio Vasconcelos Vilela

WhatsApp chat