• Home
  • Tag: Depressão

Entendendo minha ansiedade

Você conhece a Técnica STOP ?

Ela te ajuda a mudar os seus pensamentos.

Algumas vezes somos invadidos por pensamentos negativos e isso não acontece de repente, existiu um gatilho para que este pensamento surgisse.

É muito interessante descobrir qual o gatilho que gera os pensamentos, que geram imagens e essas imagens geram sentimentos ruins.

Geram também os pensamentos acelerados, ou seja, pensamentos que não conseguimos parar, daí ficamos num estado de vigília.

É possível você dar nome para este gatilho e como isso ocorre?

O corpo responde aos pensamentos e sentimentos que causam varias síndromes e uma delas é a Insônia.

Insônia é um distúrbio do sono caracterizado por dificuldades em adormecer ou manter-se adormecido durante o tempo desejado. No dia seguinte, a pessoa geralmente apresenta sonolência, falta de energia, irritabilidade e depressão.

Algumas pessoas sofrem de Ansiedade, e não conseguem entender os episódios que ocorrem.

Sistema de crenças

É um registro onde serão engatilhados pensamentos positivos ou negativos!

Geralmente acessamos pensamentos negativos.

Caso você seja otimista, você vai acessar suas lembranças positivas.E assim você vai treinar pensamentos de tranquilidade, de paz, de sossego, e permitir que seu corpo relaxe através também da respiração.

Mudar seus pensamentos é mudar teu sistema de crença e com isso as imagens que serão acessadas também, de negativas, passará a ser positiva. E você vai acreditar em si mesmo, no seu potencial, pois as imagens projetadas pelo seu cérebro gerarão bons sentimentos.

Para interromper o processo, a TÉCNICA STOP diz para “não evitar pensar no que esta se apresentando”.

Lutar contra o pensamento é torna-lo ainda mais real mais verdadeiro. Quando você aceita o pensamento que se apresenta e deixa que ele flua você tem a possibilidade de substituir o pensamento! A técnica diz de 4 passos:

S – (stop) PARE – fale em voz alta quando o pensamento vier “pare”! “Pare agora esse pensamento e essa imagem nesse minuto” Dê uma ordem para você.

T – (TAKE TIME) – ganhe tempo, inspire e respire. Respire profundamente. A falta de respirar aumenta a ansiedade, reeeeespira!

O – (OBSERVER) – conecte-se com o seu momento atual, olhe a sua volta, perceba onde você esta. Perceba seu momento agora e veja que absolutamente nada esta errado!

P – (PREMIUM) Congratule-se. Parabenize-se por isso, por ter encerrado este ciclo de pensamentos que lhe paralisam!

Sentimentos, pensamentos e atitudes podem ser transformados.

Viver com Arte, a expressão da vida.

Entendendo sua Ansiedade.

Como melhorar da depressão pós cocaína?

Pergunta feita pelo leitor do site www.apsicologiaonline.com.br

Olá Antônio, se você fala sobre depressão o seu uso de cocaína já tem prejuízo ou sofrimento clinicamente significativo para sua vida.

Esse é o primeiro passo, tomar consciência do grau de comprometimento que você se encontra. A cocaína faz parte do grupo que atua no Sistema Nervoso Central, é uma droga que estimula esse sistema acelera a atividade do SNC (euforia, agitação psicomotora, inibição da fome,sensação de coragem e poder).


Na sua história pessoal o quadro de depressão poderá ser uma realidade, ou seja pessoas da sua família tem ou tiveram depressão- com o uso da cocaína tem fator agravante.
O quadro depressivo é comum na vida de usuários de substâncias químicas e pode trazer graves consequências se não tiver o acompanhamento adequado.
O uso de drogas está relacionado com os problemas pessoais.
Existe também a possibilidade de quando o consumo da substância é cortado subitamente pode ocorrer a chamada síndrome de abstinência, que consiste em efeitos contrários aos causados pelas drogas. Por esse motivo, a parada repentina no uso de certas substâncias químicas também pode levar a um estado depressivo, fazendo com que o indivíduo se sinta abatido e triste, sendo invadido por pensamentos negativos.


Você pergunta como melhorar da depressão após o uso?


O primeiro passo é buscar ajuda profissional, por isso descrevi esse percurso, você pode ter uma depressão ou um estado depressivo, é preciso investigar o quadro em que você se encontra.
Procure um profissional que tenha especialização em dependência química e faça um processo de autoconhecimento.

Fique bem.
Maria de Lourdes Batista

Arte de Viver sem Vícios.

“Depressão pode ser considerada ou confundida com esquizofrenia?”

Nosso post de hoje vai buscar refletir sobre a pergunta  que nos foi enviada:

” Já fiz vários tratamentos para depressão: aquela que precisa de medicamento para se animar… aquela que precisa de medicamento para se aquietar. Atualmente sem dinheiro para ir no meu médico fui ao do “postinho” de saúde e o mesmo me diagnosticou como esquizofrênica…Ele pode ter se confundido no laudo? esquizofrenia é um tipo de depressão? a medicação está me fazendo muito mal, muito enjoo, sonolência e durmo muito atordoada, já falei com o médico que não admitiu meu questionamento acerca da medicação que receitou.O que devo fazer?  Obrigada.”

Para quem tem a demanda como essa senhora que nos enviou seu questionamento, primeiramente é preciso saber:

1.Você já fez acompanhamento psicológico?

Aliado a medicação é muito importante o psicólogo para  ajudar nas suas questões.
Você sabia que não existe só uma versão de depressão?  “Assim como ocorre com diferentes tipos de câncer, diferentes quadros de depressão demandam tratamentos específicos”, informou Helen Mayberg, professora de Psiquiatria, Neurologia e Radiologia da Universidade Emory, nos Estados Unidos. Ou seja, enquanto algumas pessoas vão se dar melhor com remédios, outras têm mais benefícios com a terapia.
A psiquiatria na maioria das vezes trata a Depressão como doença, cujas causas são atribuídas a fatores biológicos e sociais. A Gestalt Terapia
por sua vez é integralmente ontológica, pois reconhece tanto a atividade conceitual quanto a formação biológica de Gestalten.
É fundamental  Identificar as causas da falta de acompanhamento adequado e consequentemente os fatores que contribuem para o agravo da patologia, assim como, elucidar possíveis causas e cuidados sob a visão totalitária da Gestalt Terapia.
Quanto as formas de apresentação da depressão, autores trazem  importantes contribuições discernindo depressão enquanto sintoma, síndrome e doença.
Enquanto sintoma, a depressão pode manifestar-se em variados quadros clínicos, entre os quais: transtorno de estresse pós-traumático, demência, esquizofrenia, alcoolismo, doenças clínicas, etc. Pode ainda ocorrer como resposta a situações estressantes, ou a circunstâncias sociais
e econômicas adversas.
Enquanto síndrome, a depressão inclui não apenas alterações do humor (tristeza,irritabilidade, falta da capacidade de sentir prazer, apatia), mas também uma gama de outros aspectos, incluindo alterações cognitivas, psicomotoras e vegetativas (sono, apetite).
Finalmente, enquanto doença, a depressão tem sido classificada de várias formas, na dependência do período histórico, da preferência dos autores e do ponto de vista adotado. Entre os quadros mencionados na literatura atual encontram-se: Episódio depressivo grave, Episódio
depressivo moderado, Episódio depressivo leve.
As diferenças entre esquizofrenia e depressão são bastante significativas. Apesar de muitas vezes o paciente esquizofrênico apresentar também depressão, esta última quase sempre surge depois de instalada a esquizofrenia.Embora a apatia e a falta de motivação que se manifestam na esquizofrenia também ocorrerem na depressão, ambas as doenças provocam outros sinais e sintomas que podem facilmente diferenciar uma da outra.
Os sintomas da depressão não são apenas psicológicos, são também físicos. Ela é persistente, duradoura, gera sintomas como choro fácil, falta de energia e alterações no peso por exemplo, podendo ser difícil de ser identificada pelo paciente, porque os sintomas podem estar presentes noutras doenças ou serem apenas sinais de tristeza sem se tratar de uma doença com necessidade de tratamento específico. É uma doença que no caso de não se fazer tratamento vai piorando.Na esquizofrenia envolvem alterações específicas do pensamento, da percepção sensorial, do comportamento e do afeto. Um ou mais destes sintomas podem estar presentes em uma pessoa com esquizofrenia.
Há alguns casos de depressão que possuem características psicóticas, ou seja, de perda de contato com a realidade, e incluem delírios ou alucinações, que podem ou não estar relacionados com conteúdos depressivos, dentre outros sintomas. Os delírios são crenças que não se baseiam na realidade. E as alucinações são percepções de objetos, imagens, sons, cheiros ou outras sensações que não existem.
Mas, somente um clínico poderá fazer o diagnóstico preciso e identificar se os sintomas psicóticos fazem parte da depressão ou de algum outro transtorno, como esquizofrenia, por exemplo.Se você apresenta delírios ou alucinações, juntamente com os sintomas depressivos, procure um médico e um psicólogo, para fazer o diagnóstico.
Maria de Lourdes Batista
Psicóloga Clínica
CRP: 04/34969
WhatsApp chat