• Home
  • Tag: autoconhecimento

Áudio Post

Encanto e desencanto de nossas escolhas

Este podcast é o primeiro sobre o Encanto e o desencanto de nossas escolhas, se trata de orientação profissional e sobre as escolhas que fazemos em nossa vida, algumas vezes causando insegurança, dúvidas e medos.

Algo fundamental em nossa vida é o encanto, uma reação necessária que provoca uma sensação de interesse intenso.

Como você faz a suas escolhas?

Ouça pra saber mais.

https://www.apsicologiaonline.com.br/wp-content/uploads/2019/07/Encanto-e-desencanto-das-nossas-escolhas-3.m4a

Arte de Viver, é possível vencer a ansiedade.

“Seja como um selo dos correios, cole-se a uma coisa até chegar ao seu destino.


A Ansiedade às vezes é porque vivemos no passado, e as vezes no futuro, e nem sempre conseguimos viver o presente.

Hoje a dica é simples, mas eficaz, busque encontrar metas para desenvolver suas habilidades e conseguir realizar seus sonhos.

Se você não sonha, algo está te impedindo, faça um processo de autoconhecimento.

Exposição de Tarsila do Amaral

Segundo as informações do G1, a exposição de Tarsila do Amaral no Museu de Arte de São Paulo (Masp) já reuniu 350 mil pessoas até o último domingo (21). É o maior público dos últimos 20 anos do museu e um fenômeno só comparado à exposição de Monet na década de 90, que reuniu 400 mil pessoas.

Deixo essa dica para professores de arte, psicólogos, familiares, empresários, enfim toda pessoa pode apreciar a arte e tudo o que nela contém.

Deixo o link para maiores informações:

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/07/23/exposicao-de-tarsila-do-amaral-gera-fila-de-6-horas-e-reune-maior-publico-dos-ultimos-20-anos-do-masp.ghtml?fbclid=IwAR1OMrVJRayOmj43BgFa1l4M_-1Z56Erf13nwGZkaaoBo-ZxD39zPVXz2YM

Como melhorar da depressão pós cocaína?

Pergunta feita pelo leitor do site www.apsicologiaonline.com.br

Olá Antônio, se você fala sobre depressão o seu uso de cocaína já tem prejuízo ou sofrimento clinicamente significativo para sua vida.

Esse é o primeiro passo, tomar consciência do grau de comprometimento que você se encontra. A cocaína faz parte do grupo que atua no Sistema Nervoso Central, é uma droga que estimula esse sistema acelera a atividade do SNC (euforia, agitação psicomotora, inibição da fome,sensação de coragem e poder).


Na sua história pessoal o quadro de depressão poderá ser uma realidade, ou seja pessoas da sua família tem ou tiveram depressão- com o uso da cocaína tem fator agravante.
O quadro depressivo é comum na vida de usuários de substâncias químicas e pode trazer graves consequências se não tiver o acompanhamento adequado.
O uso de drogas está relacionado com os problemas pessoais.
Existe também a possibilidade de quando o consumo da substância é cortado subitamente pode ocorrer a chamada síndrome de abstinência, que consiste em efeitos contrários aos causados pelas drogas. Por esse motivo, a parada repentina no uso de certas substâncias químicas também pode levar a um estado depressivo, fazendo com que o indivíduo se sinta abatido e triste, sendo invadido por pensamentos negativos.


Você pergunta como melhorar da depressão após o uso?


O primeiro passo é buscar ajuda profissional, por isso descrevi esse percurso, você pode ter uma depressão ou um estado depressivo, é preciso investigar o quadro em que você se encontra.
Procure um profissional que tenha especialização em dependência química e faça um processo de autoconhecimento.

Fique bem.
Maria de Lourdes Batista

Arte de Viver sem Vícios.

O Adolescente e as drogas.

O único vínculo que estabelece para com seu pai é “não sei quem é meu pai”.


Hoje vou falar de um caso, um adolescente infrator e seu trauma – ele não conhecia seu pai e não tinha seu nome na certidão de nascimento.

É importante ter o nome do pai na certidão de nascimento?

Conheci esse adolescente com seus 11 anos de idade, ele já conhecia uma arma, já tinha uma arma em suas mãos.

Seu nome – Felipe, ele tinha grande dificuldade de usar as palavras, o que ele dizia era: “hum”, “sim”, “né”, “não sei”.

Além de suas fragilidades próprias e de seu contexto familiar, o adolescente encaminhou-se para a marginalidade, participando de grupos e cometendo atos infracionais.

Sua mãe insistia por uma internação, pois não suportava a situação do seu filho: bebendo e autor de vários atos infracionais e “sem limites”.

A mãe dizia: “não consigo colocar limites para ele”.

O adolescente apresentou dificuldades desde sua infância, como: transtorno desafiador de oposição (em relação à autoridade), desobediência ativa, baixa autoestima, mau prognóstico na vida adulta, transtorno de conduta, (a incidência aumentando com a idade, desrespeito aos direitos básicos das outras pessoas, roubo, difícil tratamento, abuso de substâncias psicoativas).

A mãe o encaminhou para consulta com clínico geral, neurologista e outros. A mãe sustentava também o vício do filho, pois temia que pudesse roubar por causa do vício.

O único vínculo que estabelece para com seu pai é “não sei quem é meu pai”.

É dessa forma que o adolescente se refere ao pai, sempre diz não saber quem ele é. O convívio social é estabelecido apenas com outros usuários de drogas.

Fica claro que suas dificuldades foram:

o nome do pai do adolescente não consta na sua certidão de nascimento, não foi uma gravidez planejada, ingestão de álcool durante os nove meses da gravidez, parto normal, mas com problemas sérios (anemia e broncopneumonia).

Felipe dormiu com a mãe até os oito anos de idade.

Apresenta-se lento em seu desenvolvimento, aprendendo a dar nó no cadarço do sapato somente aos quatorze anos.

Não gostava de ir para escola, denotando aparente hiperatividade.

Foi feita a avaliação diagnóstica, investigando os tratamentos anteriores. Felipe não fala sobre quais as drogas que ele utilizava, qual a frequência e a quantidade.

A mãe parou de trabalhar oito meses para acompanhar o processo do adolescente, mas diz: “ele continua com o uso de drogas, não respeita as regras”.

Após passar por testes para validar a avaliação psicológica solicitada pelo juiz, Felipe aceitou o tratamento na Comunidade Terapêutica, realizou os exames para sua internação, compareceu à consulta com psiquiatra, sendo medicado com Tecretol.

Realizou tratamento dentário e clínico geral. Em seguida fez seus documentos, carteira de identidade e CPF.

Felipe também queria aprender a fazer algo para vender e ganhar dinheiro. Seu desejo de vender revelava o desejo de produzir algo bom e oferecê-lo a alguém.

Essa experiência de trabalhar e de produzir, fazer algo, fez com que ele pudesse também oferecer coisas boas às pessoas, e não tão somente seus atos de infração ou fazer conexão com o mundo simplesmente através do uso/abuso de drogas.

Felipe hoje está casado, e ser pai deu a ele uma felicidade sem igual. 

Foi um processo doloroso, durou 4 anos esse acompanhamento.

Para quem é o meu trabalho

Para quem tem vícios

Que tipo de vício você tem? Num primeiro momento você pode dizer, nenhum. Não bebo, não fumo, não uso drogas.

Leia essa história:

Um amigo que mora na Nova Zelândia me mandou um e-mail
no qual dizia que achava que ia morrer naquele ano. Imediatamente
liguei para ele para saber o que estava acontecendo e como ajudá-lo. Na
conversa, ele me confidenciou: “Estou viciado”. Para mim aquilo foi
muito estranho, pois ele sempre foi atleta e nunca bebeu nem fumou.
“Como assim?”, perguntei. Ao que ele respondeu: “Você sabe que no
Brasil eu era paraquedista, e que aqui na Nova Zelândia eu também faço
base jumping”. Ele continuou: “Até aí tudo bem, a questão é que no base
jumping o objetivo é ficar em queda livre o maior tempo possível e abrir
o paraquedas o mais perto do chão que puder. E quanto mais perto do
chão mais adrenalina. Já bati seis vezes meu recorde este ano”. Foi
quando ele começou a chorar: “Perdi meus dois melhores amigos nesse
esporte e acho que sou o próximo”. Sem compreender, eu disse: “Ué,
basta liberar o paraquedas longe do chão”. Ainda abalado ele disse: “Você
não está entendendo, estou viciado em adrenalina e em perigo. Eu não
consigo abrir minha mão e soltar o paraquedas até que eu tenha a carga
de adrenalina de que preciso. É vício. Foi assim que meus amigos morreram e eu serei o próximo.

Vícios emocionais que atrapalham no relacionamento

Listo aqui os vícios emocionais

Vitimização ( )
Raiva ( )
Problemas ( )
Estresse ( )
Controle ( )
Ajudar os outros ( )
Atividade constante/não se permitir parar ( )
Tristeza ( )
Doença ( )
Solidão ( )
Abandono ( )
Ser traído ou trair ( )
Ser pobre ou ter dificuldade financeira ( )
Eternos recomeços ( )
Ser maltratado ( )
Ser lesado ou passado para trás ( )
Medo ( )
Agradar aos outros ( )
Trabalhar e produzir compulsivamente ( )
Gastar dinheiro ( )

Agradar aos outros ( )
Trabalhar e produzir compulsivamente ( )
Gastar dinheiro ( )

Então, o que ocorre é que em menor ou maior escala todos nós somos viciados em alguma coisa.

O primeiro passo é admitir, o segundo, procurar compreender esse processo de viver viciado, e o que isso está te causando.

Com ajuda do meu trabalho, você vai descobrir como lidar com o seu vício, e poder fazer escolhas para dar mais sentido a sua vida.

Leia mais sobre para quem é meu trabalho:

https://www.apsicologiaonline.com.br/categoria-produto/projeto-arte-de-viver/

A Arte de ser Tímido.

Engraçado essa expressão, encontrei-a no livro. E me ocorreu um questionamento: 
será que essa forma de ser é um dos motivos que leva o adolescente, o adulto a usar drogas?

Vamos refletir:
Você já pensou o quanto você é atraente? Alguns autores vão dizer; “melhor não saber, poderíamos nos tornar arrogantes”.

De um modo geral gostamos de alguns pontos físicos em nós, e de alguma coisa, mas nunca estamos conscientes de como somos.

Talvez então você possa concordar comigo: Somos todos tímidos.

A Arte grega propõe um padrão de beleza, um corpo escultural.

Ainda hoje ainda é assim.

Então nos dias mais difíceis, nosso espelho interior nos faz acreditar que somos deformados, como as gárgulas de Notre-Dame.

Finalizo hoje com essa expressão: “vejo meu reflexo, portanto sou.” Então, se veja no espelho, encontre você no seu corpo.

Maria de Lourdes Batista
Psicologa online.

Ansiedade. Qual profissional devo procurar?

Psiquiatra? ou um Psicólogo?

O melhor é fazer o tratamento em conjunto. O psicólogo poderá lhe ajuda a compreender como seguir melhor seu tratamento, se há indicação e encaminhamento para uso de medicação que poderá ser prescrita por um psiquiatra.
Existem muitas causas para alguém desenvolver respostas de ansiedade. Vou falar mais sobre o tema para que você possa escolher melhores ideias para se ajudar no processo de cura.
Para poder acabar e tratar a ansiedade é importante não só entender o que é, mas como isso afeta sua vida diretamente, pois os sintomas podem variar de pessoa para pessoa. No geral, a ansiedade é a resposta a sentimentos e pensamentos que acompanham as pessoas ao longo da vida, ou seja, é algo normal, porém pode estar intensificado, causando mal estar e grande desconforto.

Ansiedade dosada é boa, em excesso faz mal. Ou seja, a ansiedade em si, não é mesmo o problema, mas a intensificação dos sintomas, sim, impedindo a pessoa de viver de forma plena e segura. É natural sentirmos ansiedade em determinados momentos, por exemplo, numa experiência nova, como uma prova, um teste, ou algo que temos que expor uma ideia ou apresentação.
Mas esse sentimento é negativo ou paralisante, algo está errado. A ansiedade pode causar muitos sintomas físicos ruins, além dos emocionais que afetam a qualidade das ideias, escolhas e ações.
Muitas pessoas sentem-se ansiosa por não saberem lidar com o grau de exigência pessoal, por não conseguir organizar-se dentro do tempo necessário para as coisas e também pela preocupação excessiva com o futuro. Quem perde o foco no agora, pode ficar mais preocupado e ansioso. Pode parecer um pouco difícil tratar e se livrar de vez da ansiedade, mas com um pouco de disciplina, auto percepção, tratamento especializado, você poderá se curar e sentir-se bem melhor com isso tudo. Algumas pessoas, aprendem esse comportamento, por exemplo, com os pais, sem perceber que essa não é a melhor resposta a ser dada. Quando se está com medo, também há uma resposta de ansiedade. Assim, como a impaciência e nervosismo.


O transtorno da ansiedade generalizada, é um distúrbio caracterizado por sintomas, como:


– mente agitada;– preocupação excessiva com o futuro;– coração acelerado;– tremor nas mãos;– tremor nas pernas;– tremor no corpo;– expectativa negativa sobre algo;– angústia e apreensão;– dificuldade de controlar pensamentos acelerados;– cansaço excessivo;– dificuldade de concentração;– humor alterado;– irritação (falta de paciência) – que pode levar a brigas e desentendimentos;– agressividade;– rubor;– suor excessivo;– tensão muscular;– dificuldade de relaxar;– ações compulsivas e impensadas;– ganho ou perda de peso.
O ideal é você entender quais pontos lhe causam maior preocupação. Como você lida com a ansiedade do seu dia a dia? Como você tem organizado suas ações para que possa combater a tensão?
Para alívio e cura dos sintomas, sugiro técnicas de relaxamento corporal, respiração, atividade física, hipnose, meditação, psicoterapia e uma boa avaliação com um médico ou psicólogo que será capaz de indicar um tratamento qualificado para você.
Uma dessas técnicas, como a hipnose, por exemplo, ou mais quando combinadas e indicadas por um profissional qualificado surtirá efeito na cura e bem estar.

TEXTO ORIGINAL DE MINHA VIDA

Fonte: Psicologias do Brasil

10 lições de um dos maiores líderes da humanidade: Nelson Mandela

Temos que fazer a experiência de observar para adquirir conhecimento, e para tal precisamos de muita calma e paciência. Hoje em meio ao momento em que vivemos vamos refletir sobre um grande líder: Nelson Mandela.
Vamos homenagear essa pessoa especial também conhecido como Madiba pelo seu povo, foi provavelmente o mais importante ator político contra a discriminação instaurada pelo Apartheid, na África do Sul, se tornou um ícone internacional na defesa das causas humanitárias.
10 lições de um dos maiores líderes da humanidade:
1. Fazer exercícios físicos diariamente não são importantes apenas para a saúde do corpo, mas especialmente para trazer paz para a mente.
2. Autocontrole, jamais reaja com raiva de vaias ou xingamentos ao encarar multidões ou torcidas contra, utilize o exemplo ilustrado no filme “Invictus” : ouça somente os aplausos.
3. Sobre o medo Mandela diz: “Aprendi que coragem não é ausência de medo, e sim o triunfo sobre ele. O homem corajoso não é aquele que jamais sente temor, e sim o que vence seu medo”.
4. Aproveite os momentos de reclusão forçada para estudar. Olhe para dentro de você e escreva os objetivos principais que você deseja para si, para seu futuro.
5. Creia na força das palavras. Elas podem ser um instrumento vital de motivação – antes e durante a luta.
6. Sonhe com a vitória e trabalhe muito por ela.
7. Trabalhar em conjunto com o inimigo é mais produtivo que simplesmente odiá-lo. Foi o que Mandela ensinou na luta à segregação racial em seu país. Treine o perdão no dia a dia, e com isso perca um rival e ganhe um parceiro de batalha.
8. “A glória maior de se viver não consiste em jamais cair, e sim em levantar a cada queda”, disse Mandela.
9. Sentimentos bons são importantes: “Uma boa cabeça e um bom coração são sempre uma combinação formidável”, ensinou o líder.
10. Tenha confiança na vitória final. Como o prisioneiro político Mandela repetia: “Todo e qualquer homem que tentar roubar minha dignidade vai sair derrotado.”
Você já refletiu sobre os itens que Mandela cita? É preciso ser simples e ir além para alcançar o para que viemos ao mundo.
Faça seu caminho!

Ansiedade e medo estão intimamente relacionados

Querido leitor vá devagar, não deixe a ansiedade te dominar.

É comum a preocupação com o futuro e os anseios que nos rondam. Mas, se essa preocupação tem te tirado do controle de sua vida, tem te paralisado, causando medos, tristezas e outros sentimentos maléficos a sua vida, chegou a hora de descobri-los e tratá-los. A ansiedade pode ser considerada um dos grandes males da atualidade.

O que é ansiedade?

A ansiedade é um estado natural que antecipa uma situação de desafio ou de perigo, como conhecer alguém importante ou novo, apresenta-se em um trabalho, viajar para um lugar novo, realizar uma prova importante, etc. No entanto, esse estado ansioso passa e a pessoa volta ao seu estado normal após determinado acontecimento.

É considerada patológica, quando o estado ansioso permanece sem que haja nenhuma situação iminente ou mesmo quando há um estímulo, mas a resposta ansiosa é desproporcional e exacerbada. Ansiedade e medo estão intimamente relacionados, bem como o sentimento de vazio, angústia e a timidez.

Os transtornos ansiosos são classificados em diferentes tipos, entre eles: Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), a Síndrome do Pânico, Transtornos fóbico-ansiosos.

Ansiedade um mal do mundo moderno

 

A ansiedade patológica é um transtorno mental sério que, se não tratado, pode desencadear graves crises de pânico.

Sintomas: Os transtornos de ansiedade são caracterizados por sintomas emocionais, cognitivos e físicos, veja:

Emocionais: irritabilidade, sentimento de culpa, medo, preocupação exacerbada com futuro e com a saúde, rebaixamento do humor, comportamento de fuga, nervosismo;

Cognitivos: dificuldade de concentração, pensamentos negativos, aceleração dos pensamentos ou “vazio” na mente, linguagem afetada;

Físicos: dor no peito, taquicardia, formigamento, sudorese, calafrios, “frio na barriga”, tensão muscular, desconforto gastrointestinal, dificuldades para dormir…

 As causas da ansiedade podem estar relacionadas a diversos fatores, dentre eles:

* Genética e hereditariedade;

* Ocorrência de um evento estressor: por exemplo, morte ou doença de alguém próximo, situações adversas no trabalho, rompimento de relacionamento de forma traumática, etc;

* Perfil de comportamento e pensamento: pessoas muito aceleradas, autocríticas e introspectivas;

* Traumas prévios na infância, adolescência ou mesmo na idade adulta.

O mais importante é tratar a raiz do problema, para que esse transtorno possa ir aos poucos saindo de sua vida. A terapia mostra  ao paciente o porquê dele estar se sentindo desta forma, auxilia a encontrar  quais situações são causadoras desta sensação de ansiedade.

Algumas dicas da psicóloga também podem ajudar você no autocontrole; nunca foque somente no lado negativo das situações. Veja que sempre há dois lados e busque focar no melhor. Faça atividade física ou outra atividade que te dê prazer. Busque estar ao lado de pessoas que você ama. Se ame e não aceite aquele sentimento que te faz mal. E o mais importante invista em você, no seu bem estar, na sua saúde, busque a terapia. Ela é essencial para uma boa qualidade de vida. Você é merecedor de uma vida saudável!

Viva bem, viva feliz, faça terapia!

WhatsApp chat