• Home
  • Tag: ansiedade.autoconhecimento

Ansiedade nos Relacionamentos

Ansiedade traz prejuízo para os nossos relacionamentos, confira:

O que é ansiedade?

A ansiedade nada mais é do que uma emoção, presente em todas as pessoas.
Em níveis saudáveis, gera ânimo para colocar novos planos em ação.
Já em excesso, pode desencadear um distúrbio emocional por meio do medo, como mecanismo de defesa contra situações que estão fora do controle.

Quais são os principais sintomas físicos da ansiedade?

Pessoas com distúrbio de ansiedade geralmente relatam enorme cansaço, dor de cabeça, respiração ofegante, coração acelerado, sudorese, boca seca e irritação na pele.

Afinal, o paciente está sempre tenso.

Então o corpo está apenas enviando um pedido de ajuda contra o estresse, que nem sempre é ouvido.

Qual a importância do apoio psicológico e psiquiátrico no tratamento contra a ansiedade?

É essencial, pois o psicólogo, juntamente com o paciente, vai encontrar as causas emocionais para o aparecimento dos sintomas.


Nesse processo, é possível resolverem problemas antigos que ficaram em aberto. Mas não apenas isso, pois o paciente também aprende técnicas simples e eficientes para prevenir e lidar com as crises no momento que elas surgem.

Já o psiquiatra faz o acompanhamento médico, verificando a produção dos hormônios reguladores do sistema neurológico e também prescrevendo medicamentos para dar suporte ao tratamento.


Importante dizer que apenas o medicamento não resolve o problema, mas sim, controla e dá suporte para que o paciente consiga ter condições de manter sua rotina e buscar ajuda psicológica.

Quero ajudar você no seu processo de conhecimento e gerar sua ansiedade.
Marque sua entrevista inicial.
Entra em contato:
[email protected]

Diferencie os episódios de preocupação normal e um período “obsessivo”

Saiba que para tudo existe um tratamento, uma solução, uma escolha. Escolha fazer terapia, ela irá te ajudar a se autoconhecer, a se livrar desse sentimento que é tão prejudicial. Quebre as algemas da obsessão.

Diferencie os episódios de preocupação normal e um período “obsessivo” .

Os seguintes pontos podem te ajudar a identificar uma obsessão:

  • Sua preocupação é realista? O motivo da sua preocupação é pouco provável e você está antecipando um fato que é muito improvável ou impossível de acontecer?
  • Sua preocupação é desmedida? A quantidade de preocupação não corresponde com a gravidade do problema ou com o assunto que você não para de revirar em sua cabeça.
  • Você passa uma grande parte do dia pensando em um assunto ou sobre um problema concreto? Você passa o dia inteiro se preocupando ao ponto de que isso interfira em seu dia a dia?
  • Você sente um mal-estar por estar constantemente com essa ideia? As obsessões geram um grande mal-estar, e você gostaria de eliminá-las de sua mente, mesmo que isso pareça impossível.
  • Estes pensamentos te forçam a fazer algo que você sabe que é absurdo ou que não vai solucionar o problema, mas mesmo assim você faz? Lavar constantemente as mãos, abrir e fechar qualquer porta um determinado número de vezes, não tocar nenhum objeto com as mãos, etc.
  • Você sente vergonha de reconhecer isso para os outros? Você sabe que tem um problema, que seu pensamento e/ou comportamento não é “normal”, mas prefere manter em segredo porque ninguém vai te entender ou vão pensar que você é estranho.
  • Você não pode controlar seu aparecimento nem sua duração? Os pensamentos que te atrapalham aparecem de repente, sem avisar, e você pouco pode fazer na tentativa de controlá-los e fazer com que eles desapareçam.

Se você respondeu sim a alguns quesitos, você sofre sim de algum tipo de obsessão. Busque ajuda, busque a terapia. A profissional ira se aprofundar e analisar o problema e sua causa.

Também existem algumas dicas de Inteligência Emocional que ira te ajudar a barrar os pensamentos e comportamentos obsessivos por alguém ou algo:

Trabalhe seu amor próprio

Você pode todas as coisas! Não mendigue o amor e atenção do outro. Preocupe-se com você. Evite depositar todas as suas expectativas em determinada relação. Para que você possa desenvolver seu amor próprio, é necessário entender que ninguém é capaz de suprir suas necessidades emocionais além de você mesmo. Para ser feliz em qualquer relacionamento, é preciso saber ser feliz sozinho.

Eleve sua autoestima

Pessoas com baixa autoestima podem desenvolver obsessões e a possessividade. Para que isso não ocorra, é fundamental olhar para suas feridas emocionais, entender quais são suas crenças limitantes e começar a perceber e dissolver esses padrões de comportamento. O autoconhecimento é fundamental, dar luz as questões que precisam ser trabalhadas e também perceber suas qualidades e habilidades. Se arrume, coloque sua melhor roupa, tire um tempo para você, para sua autoestima, se olhe no espelho e veja o quão poderosa (o) você pode ser se quiser.

Trabalhe suas inseguranças

A falta de confiança em si mesmo, nas suas habilidades e capacidades gera uma sensação constante de ameaça. Dê um voto de confiança para si mesmo e confie mais no seu próprio taco.

Não tente controlar o incontrolável

É impossível obrigar alguém a gostar de você ou exigir que a pessoa fique ao seu lado. Então, para que perder tempo e energia sufocando e limitando alguém? É muito mais saudável e produtivo cuidar de si e das próprias emoções, tornando-se uma pessoa mais equilibrada, feliz e saudável. Dessa maneira, a convivência com as pessoas que você ama terá muito mais qualidade e harmonia.

Temos uma vida breve, que passa muito rápido. Nesse breve tempo que temos, saibamos buscar qualidade de vida, buscar objetivos, realizações, elimine os traumas, elimine situações e sentimentos tóxicos. Tranquilidade, leveza, paz interior, autocontrole e autoconhecimento fazem bem para você e sua saúde agradece.

Viva Feliz! Busque a terapia.

 

Porque tememos a solidão?

O primeiro ponto a ser visto é: “A solidão conduz ao sentimento de um vazio, sentimo-nos sozinhos e indesejados.”Será que o sentimento de rejeição ele provoca esses sentimentos: vazio existencial, estar só e não ser amado.

“No mundo de hoje, a privação de sono se tornou um problema comum que afeta mais de um terço da população mundial devido às longas jornadas de trabalho, às atividades noturnas e ao aumento da dependência de eletrônicos” Feng.

No mundo atual, somos pessoas que temos dificuldades de dormir, ou seja, descansar, relaxar, desligar-se.  Às vezes buscamos alternativas para que tenhamos uma noite de descanso, mas as vezes não alcançamos nosso objetivo. Dai vem a frustração, ou sintoma de solidão.

SOLIDÃO É…Vamos entender o que é solidão, o dicionário diz que solidão é: Uma profunda sensação de vazio, de isolamento, sensação de desconexão.

 Solidão e Solitude.

 A linguagem criou a palavra solidão para expressar a dor de estar sozinho. E criou a palavra Solitude  para  expressar a glória de estar sozinho” (Tillich)

Nascemos sós, vivemos sós e morremos sós. A Solitude é nossa verdadeira natureza, mas não estamos cientes dela. Por não estarmos cientes, permanecemos estranhos a nós mesmos e, em vez de vermos nossa Solitude como uma imensa beleza e bem-aventurança, silêncio e paz, um estar à vontade com a existência, a interpretamos erroneamente como solidão.

Para que possamos compreender esse processo de solidão e solitude precisamos de autoconhecimento e Autorresponsabilidade.

Como Lidar com a Ansiedade

10 passos para verificar seu grau de ansiedade.

  1. Escreva. Pegue papel e caneta e escreva tudo que lhe vier à cabeça. Depois jogue tudo fora.
  2. Observar o presente. Direcione sua atenção para o momento presente e o ambiente externo. Às vezes ficamos inquietos com relação ao futuro.
  3. Relaxe. Pense em alguma coisa que lhe dê muito prazer e esteja acessível: uma comida, uma fruta, sorvete, banho quente, etc. Faça a sua escolha, sinta prazer no que for possível e fique usufrua da melhor maneira possível.

4) Exercício de integração dos lados direito e esquerdo do cérebro. De pé, sucessivamente levante um joelho e toque-o com a palma da mão do lado oposto, isto é, palma da mão direita no joelho esquerdo e vice-versa, depois faça o mesmo para a outra perna/braço. Comece devagar e vá aumentando a velocidade gradativamente.

5) Acredite. Às vezes não agimos por falta de uma crença na possibilidade de achar uma solução.

6) Ria – Veja, assista ou leia algo de humor. O riso alivia.

7) Autoconhecimento. Ligue a “câmera mental” e procure informações sobre o que está acontecendo internamente. Você pode fazer perguntas: “Em que estou pensando?” “O que estou imaginando?” “Que filme estou repetindo?”

8) Algo de bom. Pergunte-se: “O que essa emoção pode conter de benéfico para mim?” Apenas escute a resposta.

9) Gaste energia –  Faça uma caminhada, corra, dance, vá para a academia ou pratique um esporte, massagem, escute uma música, viva sua espiritualidade.

10) Espere passar – Tem coisas que acontecem com as quais não precisamos fazer nada, apenas esperar, como um temporal.

Fonte: Virgílio Vasconcelos Vilela

WhatsApp chat