Dicas sobre como respirar

Os especialistas indicam quatro técnicas de respiração que podem ajudar você a se sentir melhor de imediato.

1. Abdominal- Já reparou que podemos observar a movimentação do abdômen facilmente na respiração dos cães e dos bebês? Isso acontece pelo simples fato de que, quando estamos tranquilos, tendemos a inspirar e expirar lentamente, o que evidencia a extensão e a contração do abdômen. Então, experimente parar. e respirar com mais tranquilidade e profundidade, colocando a mão sobre o abdômen para senti-lo se movimentar.

2. Quadrada – Nesse tipo de respiração, a cada inspiração e expiração, existe uma pausa. Inspire por contando lentamente até quatro, depois segure o ar nos pulmões por mais quatro. Expire lentamente enquanto por quatro segundos e, após “esvaziá-los”, mantenha-se assim por mais quatro. É como se você, ao final, estivesse formando um quadrado respiratório, com quatro segundos em cada passo, daí o nome da técnica….

3. Expiração alongada A prática é semelhante à anterior, no entanto, enquanto você inspira por quatro segundos, a recomendação é expulsar o ar pelo dobro do tempo (isto é, por oito segundos). Ela é benéfica porque enquanto a inalação está relacionada ao sistema nervoso simpático (SNS), que controla o mecanismo de luta e fuga, a expiração está relacionada ao sistema nervoso parassimpático (SNP), que influencia a nossa capacidade de relaxamento.

4. Alternando as narinas Com a ajuda do dedo indicador, inspire por uma narina e expire pela outra. Na sequência, a narina que “puxou” o ar deve ser usada para “soltá-lo”. Assim como todas as anteriores, essa técnica acalma porque faz com que você se concentre no momento presente.

Pais e Filhos, De Bem com a Vida.

Maria de Lourdes Batisa

Psicóloga Clínica

Presencial e online.

Dependência

O que precisamos saber?

Uso, abuso e Dependência
de Drogas

O que significa a palavra droga? 

Droga, é qualquer entidade química , que altera a função biológica e possivelmente a sua estrutura.

As Palavras e sua função

Droga também é um nome genérico dado a todo o tipo de substância natural ou não, que ao ser introduzida no organismo provoca mudanças físicas ou psíquicas.

Nas áreas de Medicina e Farmacologia, droga é qualquer substância que previne ou cura doenças ao causar alterações fisiológicas nos organismos.

Há quem também diga ” que droga de vida.”

As palavras têm personalidade, cheiro, cor, sabor, afeto, e isso é emprestado a quem as usa. Dentro do “combate” as drogas, a sociedade e as famílias devem se preocupar com o ser humano, e não com a droga.

Quando uma pessoas usa drogas, temos que ter em mente que vamos tratar de problemas humanos, e não de problemas de drogas. 

Drogas não têm problemas.

O ser humano é que, em função de seus conflitos, procura na droga uma solução mágica para eles.

As famílias tratam a droga como algo grandioso, difícil de lidar. Ninguém está preparado para lidar com o uso abusivo de alguém da família.

A informação é um ponto essencial, para lidar com esse bicho papão.

A humanidade sempre caminhou em busca da felicidade, o nosso sistema nervoso central é uma máquina de fabricar estímulos (dor ou prazer) e o uso de drogas afeta estes estímulos.

É nas drogas que o adolescente, o jovem, o adulto, busca esquecer dos problemas que estão no contexto familiar, na sociedade e outros.

Na verdade, a droga é uma questão muito antiga, que se confunde com a própria história do homem. O noticiário se concentra nos casos de cocaína, por vezes de maconha,raramente em outras drogas.

E parece que drogas de abuso são apenas essas.

Existem pesquisas que apontam uma infinidade de outras drogas de abuso, um destaque para o abuso de medicamentos e de álcool, principalmente em adolescentes.

Uma droga não é por si só boa ou má.

Existem substâncias que são usadas com a finalidade de produzir efeitos benéficos, como o tratamento de doenças, e são consideradas medicamentos.

Mas também existem substâncias que provocam malefícios à saúde, os venenos ou tóxicos.

A mesma substância pode funcionar como medicamento em algumas situações e como tóxico em outras e o seu uso contínuo pode evoluir para a dependência.

O uso de drogas que alteram o estado mental, aqui chamadas de substâncias psicoativas (SPA), acontece há milhares de anos e muito provavelmente vai acompanhar toda a história da humanidade.

Quer seja por razões culturais ou religiosas, por recreação ou como forma de enfrentamento de problemas, para transgredir ou transcender, como meio de socialização ou para se isolar, o homem sempre se relacionou com as drogas.

É preciso identificar os sentimentos de rejeição, solidão e os problemas que causam os conflitos familiares.

É preciso viver bem, é possível viver sem vícios.

Já alguns anos ajudo pessoas na organização do sistema familiar.

Acesse o link.

Como lidar com o adolescente?

A adolescência é um período conturbado para quem passa pelo processo e também para muitos dos que estão à sua volta . Estatísticas demonstram que as famílias não sabem lidar com o processo de mudanças que ocorrem nesse período.

Nas escolas professores não sabem também lidar com essa fase, ela é marcada pelo desejo de liberdade, o aumento do pensamento crítico e aproximação do grupo de amigos.

Faço atendimentos para casais e sessões individuais para as mães. Meu público é a família. Constato que a mãe que não sabe lidar com a criança, não sabe lidar com o adolescente. É como uma rede que vai se formando, ou com a semente lançada na terra, se cultivada de forma correta, produzirá frutos.

O pai, parece as vezes ser somente o provedor, fica olhando o que está acontecendo na família e por vezes não tem o vínculo afetivo.

Transformações

A criança com 12 anos passa por várias transformações, a chamada puberdade, é o período em que o adolescente sofre transformações no físico: meninas crescem mais rápido que os meninos, a altura muda, os ossos ficam mais espessos, nas meninas o seio cresce, ocorre à menarca (primeira menstruação) e o aparecimento de pelos.

Nos meninos há o crescimento do pênis, início da produção de espermatozoides e primeira ejaculação. Essas mudanças corporais geram muita angústia aos adolescentes.

A angústia do Adolescente, que pode gerar ansiedade.

Entendendo a adolescência

Vamos conceituar adolescência, palavra que deriva do latim, adolescência, ad: a, para a + olescere: forma incoativa de olere, crescer, que quer dizer a condição ou o processo de crescimento.

O termo se aplica ao período da vida compreendido entre a puberdade e a maturação orgânica do corpo, cuja idade ocorre aproximadamente dos 13 aos 21 anos. 

O termo adolescência não é universal, uma vez que em muitas sociedades não possuem este conceito. Porém, cada cultura tem o seu conceito, baseando-se sempre nas diferentes idades para definir este período.

Essa informação é relevante, saber que é uma fase tão nova, e tão difícil de viver, trás compreensão e quem sabe ajuda no olhar essa fase de forma diferente.

A adolescência é uma etapa evolutiva peculiar ao ser humano e para compreendê-la é preciso estudar os aspectos biológicos, psicológicos, sociais ou culturais.

Como o adolescente se posiciona na sociedade ?

Pela história consta que por muito tempo, as crianças eram introduzidas no mundo do trabalho a partir dos sete anos; poucas estudavam ou permaneciam muito tempo no sistema educativo, onde também não estavam separadas por níveis diferenciados de idade.

A adolescência não era considerada um período particular de desenvolvimento, não existia, ainda, uma cultura adolescente.

Em consequência da complexidade das sociedades modernas industrializadas foi-se criando um espaço intermediário entre a infância e a idade adulta, entre a maturidade bio-fisiológica e a maturidade psicossocial, sendo resultado dos padrões de mudança da nossa sociedade.

Nesse período da adolescência-puberdade, os adolescentes enfrentam exigências sociais novas e, às vezes, drásticas. Fazer tudo que fazem os adultos não podem, nem podem fazer coisas de crianças, pois o adolescente não é um nem outro.

Assim, falta a identidade do ser adolescente.

Talvez o que mais ocorre na sociedade é a crise de identidade do adolescente, por isso, muitos desencontros na sua vida em todo o sentido.

Pode-se perceber também o quão importantes são às primeiras relações mãe e filho, para o desenvolvimento da identidade do adolescente, pois este é o período de maior importância no que se refere a sua sexualidade, cidadania, profissão, etc. Enfim, a fase na qual o seu mundo interior se concretiza e se conecta com o mundo exterior dos valores, da moral, da sociedade.

Falar no amadurecimento dos adolescentes depende muito do contexto social em que vivem, porque, na atualidade, as mudanças são bem mais rápidas que anteriormente, inclusive para os próprios pais que não conseguem acompanhar essas mudanças, devido à facilidade das informações, a força da mídia, as transformações sociais, e, pelas exigências da necessidade de sobrevivência.

A grande dificuldade de pais e profissionais que lidam com adolescentes é dar liberdade, mas sem deixar de garantir uma supervisão e dar limites que ajudem a minimizar riscos e consequências ruins para suas ações.

Você tem dificuldades de lidar com o adolescente, conheça nosso programa:

A doença como um caminho

Você é uma pessoa alérgica?

A doença como um caminho.

Vejamos o que fala os autores desse livro quando a pessoa é bem alérgica.

A pessoa que tem alergia é uma agressividade que se materializou. A pessoa alérgica deve fazer a si mesma as seguintes perguntas:

1 – Por que não suporto tomar consciência da minha agressividade, e a transfiro para a manifestação corporal?

2 – Quais âmbitos da vida me inspiram tanto medo que procuro evitá-los?

3 – Para que temas apontam os meus alérgenos?
4 – Até que ponto uso minha alergia para manipular o meio ambiente?

5 – Como encaro o amor, qual é a minha capacidade de amar?

Você concorda com todas essas questões?

O livro “A Doença Como Caminho”, de Thorwald Dethlefsen e Rüdiger Dahlke, que trata do conteúdo psicológico associado a vários tipos de doenças e incidentes, os quais por não conseguirmos trabalhar adequadamente em nossa psique, passam a fazer parte da nossa “sombra”, não sendo percebidos conscientemente, manifestando-se, então, em nosso corpo físico, para que assim os possamos vivenciar, para superar e integrar seus consequentes desafios e ensinamentos.

Arte de Viver
Psicologia e Saúde Emocional

Ser Paciente

Na dúvida busque ajuda.

Ser paciente em um dia de raiva pode evitar cem dias de tristeza
Dê um nome ao que o aborrece. Não fique só com as sensações, com esse desconforto que fica virando o estômago e trava a sua mente. Descreva em palavras concretas o que o incomoda.Procure a calma por alguns instantes, feche-se no seu “palácio de pensar”. É um espaço tranqüilo e sereno que só pertence a você, visualize um lugar onde você deixe de fora a raiva e as emoções negativas para se trancar com “a razão”. Pense agora qual é a melhor opção diante da aquilo que o incomoda.
Expresse de forma assertiva a razão da sua chateação. De nada serve “engolir” aquilo que nos prejudica, porque os aborrecimentos não se guardam sob a cama, se expressam em forma de palavras respeitosas para evidenciar com clareza o que nos fere, o que não queremos.
Controle, reestruture e mude de cenário.

Uma das melhores formas de administrar a revolta e a raiva é controlar aspectos como a respiração ou inclusive os processos mentais capazes de potencializar ainda mais a emoção negativa. Não procure culpados, desligue o ruído mental e os pensamentos irracionais.

Busque um orientação psico religiosa que ajudará nesse processo.

Clínica social

O que é?

Psicologia ao alcance de todos.

psicoterapia

A clínica social tem o objetivo de alcançar pessoas que necessitam de psicoterapia.

É uma proposta que tem como objetivo tornar possivel o atendimento psicoterapêutico a pessoas que não podem arcar financeiramente com um tratamento particular, através da prestação de um serviço de qualidade a custo de honorários simbólicos. O valor a ser pago será negociado segundo as condições de cada cliente, diretamente com o terapeuta.

A quem se destina a Clínica Social?

As pessoas que normalmente estão excluídas por razões financeiras do acesso ao atendimento psicoterapêutico, do qual podem participar crianças, adolescentes, adultos e idosos. E as vezes demoraram ser atendidas na rede social.

Como Funciona a Clínica Social? 

O Consulente passa por uma triagem inicial*, e em seguida  o psicólogo realizará uma avaliação a cerca da necessidade do atendimento, podendo encaminhar o consulente para atendimento individual ou em grupo.

Os atendimentos serão realizados no consultório particular do terapeuta tendo em consideração a sua disponibilidade de horários e localização.

Os interessados deverão entrar em contato com o terapeuta pelo telefone (037) 998265019 quando será agendada uma entrevista e o encaminhamento.

*A triagem encaminhará primeiramente os casos com maior necessidade psicológica e financeira.

Maria de Lourdes Batista CRP 04/34969

Como lido com as minhas perdas?

Encontrei essa frase em um artigo: “Quando a vida nos coloca uma oportunidade, sugerindo deixarmos o estado de segurança e conforto em que nos encontrávamos, fazer uma escolha pode não ser algo simples. A proporção da mudança será maior ou menor segundo seja a disposição do ser em correr riscos.” A expressão correr riscos chama atenção em vista de fazer um convite; saia da sua zona de conforto, expressão que também se tornou habitual.

Em toda escolha há perdas e ganhos, portanto, uma escolha é também uma renúncia.

Quando percebemos que vamos perder algo diante de uma escolha, as vezes não realizamos tal escolha, não buscamos tal consciência e assim deixamos a vida no levar.

Veja essa informação: “Estudos mostram que, em média, 70 decisões são tomadas em um dia comum, ou seja, estamos fazendo escolhas a todo momento, escolhemos o que comer, que roupa vestir, o modo como nos comportaremos, o que vamos falar, e de que maneira falar. É claro que se pode classificar as escolhas mediante seu grau de complexidade, tendo-se em conta o tamanho de sua repercussão na vida.”

É certo que todo ser humano tem em si mesmo a capacidade de perceber o que deve ou não fazer. Porém, procrastinamos e perdemos o foco, deixando de lado o essencial.

O essencial.

As vezes não conseguimos dar nome para o essencial, é preciso fazer um processo de autoconsciência para viver com o essencial e perceber os ganhos obtidos.

É preciso abrir mão do que não presta e nos dedicar àquilo que é essencial.

Como você lida com as perdas?

Deixe aqui seu comentário.

 

O poder das redes sociais

Em pleno ano de 2018, difícil é encontrar alguém que não use nenhuma rede social. Essa tecnologia que a cada dia vem ganhando mais espaço em nossas vidas, com suas inovações, cresce mais e nos deixa por vezes mais dependentes desse meio.

Você já se imaginou sem seu celular? Whatsapp? Facebook? Instagram?

Como foi que essas redes sociais, ganharam tanto poder sobre nossas vidas, a ponto de mudar tanto a nossa forma de comunicação e relacionamentos?

Em tempos de correria, tantos afazeres, compromissos, obrigações, qualquer coisa que nos dê um pouco de praticidade e comodidade já nos fascina e nos aprisiona.  E mesmo  que inconscientemente, nos deixamos levar, pelo simples fato de podermos resolver tudo com mais praticidade, seja pelo celular  ou pelas redes sociais.

Por  vezes, esquecemos do valor que tem uma conversa, um olho no olho, uma presença física, um gesto de carinho presencial. Ficamos tão deslumbrados com o poder da internet que muitas coisas passam despercebidas ao nosso redor.

Saiba que filhos, pais, avós, esposas, maridos, por muitas vezes são deixados de lado, pelo vício que nos cerca. Por vezes eles querem um diálogo, um olho no olho, pedem socorro, e nós estamos tão ocupados com nossos celulares que nem se quer conseguimos notar.

Saiba que devido ao mau uso das redes sociais os índices de suicídio, depressão, entre outros… Tem aumentado gradativamente.

Diante de tudo, sabemos os  benefícios da internet. Encontramos muitas coisas produtivas, informações, adquirimos muitos conhecimentos. Mas VIGIE;  analise até onde tem sido bom e saudável,  onde tem privado os relacionamentos saudáveis, e também  uma boa convivência com os que te cercam.

Talvez nossos pais, avós, ainda não tiveram um contato com as redes sociais, por isso muitas vezes podem se sentir sozinhos, solitários, deslocados, necessitados de carinho e atenção.

Depoimento

”Já presenciei uma cena a qual me fez refletir. Duas irmãs, uma chegou na casa da outra. Uma não tinha contato com redes sociais, a outra por sinal era bem antenada. Tudo que a irmã conversava com a outra irmã antenada não obtinha respostas,  não  demonstrava interesse, por  vezes se ouvia uma resposta do tipo – a, é, aham, ata.  A irmã que estava tão ligada às redes sociais, nem se quer conseguia prestar atenção no que a irmã falava. Frustrada e aparentemente triste, aquela irmã foi embora.  E somente depois de meia hora a irmã notou sua ausência.“

Reflita, é esse tipo relacionamento que você quer ter?

Se não, comece a vigiar e a ter  aquele tempinho  precioso para realmente estar com alguém. Em um mundo tão tecnológico, vamos saber usufruir com sabedoria desse mundo. Vamos valorizar uma conversa, um olho no olho, um gesto de carinho presencial.

Assim, depois dessa reflexão pergunte a si mesmo: qual o valor da sua atenção para com o outro? E saiba que dependência excessiva por redes sociais tem de ser tratada.

Como a psicologia pode ajudar?

É preciso reconhecer o problema e procurar ajuda. A busca por um tratamento psicológico traz resultados positivos, pois o psicólogo auxilia o viciado a entender o que está acontecendo e o que o levou à necessidade tão grande de estar sempre conectado.

Seja por uma fuga da realidade, por dificuldade de relacionamentos reais ou até a busca pela perfeição, que muitas vezes se alcança apenas nas redes sociais. Descobrindo o motivo fica mais fácil de tratar e solucionar o problema. O psicólogo poderá conduzir o paciente a um equilíbrio. O equilíbrio e o autoconhecimento é a base para se viver bem e feliz.

WhatsApp chat