• Home
  • Archive by category "solidão"

A doença como um caminho

Você é uma pessoa alérgica?

A doença como um caminho.

Vejamos o que fala os autores desse livro quando a pessoa é bem alérgica.

A pessoa que tem alergia é uma agressividade que se materializou. A pessoa alérgica deve fazer a si mesma as seguintes perguntas:

1 – Por que não suporto tomar consciência da minha agressividade, e a transfiro para a manifestação corporal?

2 – Quais âmbitos da vida me inspiram tanto medo que procuro evitá-los?

3 – Para que temas apontam os meus alérgenos?
4 – Até que ponto uso minha alergia para manipular o meio ambiente?

5 – Como encaro o amor, qual é a minha capacidade de amar?

Você concorda com todas essas questões?

O livro “A Doença Como Caminho”, de Thorwald Dethlefsen e Rüdiger Dahlke, que trata do conteúdo psicológico associado a vários tipos de doenças e incidentes, os quais por não conseguirmos trabalhar adequadamente em nossa psique, passam a fazer parte da nossa “sombra”, não sendo percebidos conscientemente, manifestando-se, então, em nosso corpo físico, para que assim os possamos vivenciar, para superar e integrar seus consequentes desafios e ensinamentos.

Arte de Viver
Psicologia e Saúde Emocional

A Arte de ser Tímido.

Engraçado essa expressão, encontrei-a no livro. E me ocorreu um questionamento: 
será que essa forma de ser é um dos motivos que leva o adolescente, o adulto a usar drogas?

Vamos refletir:
Você já pensou o quanto você é atraente? Alguns autores vão dizer; “melhor não saber, poderíamos nos tornar arrogantes”.

De um modo geral gostamos de alguns pontos físicos em nós, e de alguma coisa, mas nunca estamos conscientes de como somos.

Talvez então você possa concordar comigo: Somos todos tímidos.

A Arte grega propõe um padrão de beleza, um corpo escultural.

Ainda hoje ainda é assim.

Então nos dias mais difíceis, nosso espelho interior nos faz acreditar que somos deformados, como as gárgulas de Notre-Dame.

Finalizo hoje com essa expressão: “vejo meu reflexo, portanto sou.” Então, se veja no espelho, encontre você no seu corpo.

Maria de Lourdes Batista
Psicologa online.

Vista cansada

O Poder da Sensibilidade

O problema é que, de tanto ver, a gente banaliza o olhar.

É necessário usar, sensibilidade e intuição para que haja criatividade.

Hoje, decidi deixar essa cronica de Otto Lara Resende para você leitor (a) verificar o como você tem vivido sua sensibilidade.

Acho que foi o Hemingway quem disse que olhava cada coisa à sua volta como se a visse pela última vez. Pela última ou pela primeira vez? Pela primeira vez foi outro escritor quem disse. Essa ideia de olhar pela última vez tem algo de deprimente. Olhar de despedida, de quem não crê que a vida continua, não admira que o Hemingway tenha acabado como acabou.

Se eu morrer, morre comigo um certo modo de ver, disse o poeta. Um poeta é só isto: um certo modo de ver. O problema é que, de tanto ver, a gente banaliza o olhar. Vê não-vendo. Experimente ver pela primeira vez o que você vê todo dia, sem ver. Parece fácil, mas não é. O que nos cerca, o que nos é familiar, já não desperta curiosidade. O campo visual da nossa rotina é como um vazio.

Você sai todo dia, por exemplo, pela mesma porta. Se alguém lhe perguntar o que é que você vê no seu caminho, você não sabe. De tanto ver, você não vê. Sei de um profissional que passou 32 anos a fio pelo mesmo hall do prédio do seu escritório. Lá estava sempre, pontualíssimo, o mesmo porteiro. Dava-lhe bom-dia e às vezes lhe passava um recado ou uma correspondência. Um dia o porteiro cometeu a descortesia de falecer.

Como era ele? Sua cara? Sua voz? Como se vestia? Não fazia a mínima idéia. Em 32 anos, nunca o viu. Para ser notado, o porteiro teve que morrer. Se um dia no seu lugar estivesse uma girafa, cumprindo o rito, pode ser também que ninguém desse por sua ausência. O hábito suja os olhos e lhes baixa a voltagem. Mas há sempre o que ver. Gente, coisas, bichos. E vemos? Não, não vemos.

Uma criança vê o que o adulto não vê. Tem olhos atentos e limpos para o espetáculo do mundo. O poeta é capaz de ver pela primeira vez o que, de fato, ninguém vê. Há pai que nunca viu o próprio filho. Marido que nunca viu a própria mulher, isso existe às pampas. Nossos olhos se gastam no dia-a-dia, opacos. É por aí que se instala no coração o monstro da indiferença.

Verifique o seu olhar.

Maria de Lourdes Batista

Você tem medo da solidão?

Nenhum homem é uma ilha. Esta é uma frase muito popular, e é extremamente comum encontrarmos pessoas com medo da solidão, e que vivem na solidão, pois não sabem como lidar com ela. A solidão conduz ao sentimento de vazio, se sentindo sozinho e indesejado. Nestas situações, as pessoas anseiam o contato humano, porém, a forma como se sente, faz com que seja muito difícil conectar-se com os outros. A solidão não é necessariamente sobre estar sozinho, pelo contrário, é a percepção de estar sozinho e isolado sendo que existem varias pessoas ao seu redor.

O medo da solidão impede de conviver com a sociedade, de manter relacionamentos saudáveis e até mesmo de amar. Pensando também no futuro. Pessoas solitárias por vezes tem o pensamento de não poder se apegar ao outro, criar raízes, por medo que algum dia o outro venha a abandoná-lo. Cria-se ai uma barreira enorme nas relações.

O estado de solidão, faz com que o solitário, seja cercado por pessoas que o amam e estão sempre ali.  Mas, devido a este sentimento estar cada vez mais presente, se torna impossível que o solitário note e saiba receber o amor, a atenção e o cuidado que os outros lhe oferecem. Sempre haverá uma barreirar invisível, um bloqueio ao qual precisa ser tratado. Precisamos descobrir qual trauma fez com que aquela pessoa gerasse esse medo, e estado de solidão.

Quantas vezes você já se sentiu sozinho em uma sala cheia de gente?

Quando este sentimento de solidão, esta a tona, e o medo insiste em se manter ali, é preciso fazer um mapeamento, a fim de descobrir quando ele aparece com mais intensidade em sua vida, em quais situações está presente e em quais desaparece.

É preciso saber até quando você consegue controlá-lo ou se é ele que controla você. Mapear seu sentimento irá te auxiliar na jornada de autoconhecimento, autodesenvolvimento  e também a lidar melhor com os momentos de solidão.

Temos algumas dicas que podem te ajudar a controlar a solidão:

– Permita-se aceitar que a solidão é um sinal de que algo precisa mudar;

– Compreenda os efeitos que a solidão tem na sua vida, tanto física como mentalmente;

– Faça serviço comunitário ou outra atividade que goste. Estes contextos oferecem oportunidades para conhecer pessoas novas e cultivar novas amizades e interações sociais;

– Foque-se no desenvolvimento de relacionamentos com pessoas que partilham atitudes, interesses e valores semelhantes aos seus, busque também inspirações, faça meditação;

– Espere o melhor. Pessoas solitárias muitas vezes esperam rejeição, por isso, concentre-se em pensamentos e atitudes positivos nos seus relacionamentos sociais.

Todos precisam de contato! O ser humano é movido por relacionamentos. Uma vida social é fundamental para que sejamos plenos. Vida social, não é o mesmo que um relacionamento forçado apenas para não se sentir sozinho. Lembre-se disso.

Saiba que a solidão esta ligada a depressão, síndrome do pânico, fobia social, crises de ansiedade, traumas e timidez…

Sendo assim, se você sente está apresentando estes sintomas e se sente muito solitário, algo está errado. Procure um psicólogo e ele irá te auxiliar a descobrir de onde vem esse sentimento de solidão e todos os outros que costumam acompanhá-lo. Saiba que para tudo há um tratamento.

Seja feliz! Faça terapia!

Envie um e-mail para nós.

Estar sozinho, é possível?

Precisamos dos outros para viver e dar sentido ao que fazemos. Mas também precisamos estar com nós mesmos, sem interrupções, sem telefones celulares ou redes sociais e sem nada que implique ruído externo. Não falamos da solidão profunda, que nos aterroriza, mas de um tempo para refletir, que nos ajuda a sermos mais exigentes, mais criativos e mais felizes. Quase nada. Vamos ver por que ela é benéfica e como consegui-la.
Primeiro, saber conviver com a solidão nos torna mais livres. Quando nos angustiamos ao estarmos sozinhos, nos aferramos a relacionamentos que podem ser nocivos ou a propósitos dos quais no fundo não gostamos, mas que nos aliviam. Na medida em que sabemos conviver sozinhos com nós mesmos (não estamos falando em ser ermitões, que é outra coisa), podemos ser mais exigentes com aqueles que nos rodeiam e, claro, isso nos ajuda a termos mais autoconhecimento.

A ciência provou que a solidão nos permite valorizar mais o que temos.

Nos anos noventa, Reed Larson, professor de desenvolvimento humano da Universidade de Illinois, realizou um estudo com adolescentes pedindo que levassem um pager. Durante alguns dias, tiveram de informar com quem estavam, o que faziam e como se sentiam. O estudo mostrou que quando estavam sozinhos estavam mais tristes, mas, curiosamente, depois desse tempo, quando voltavam a estar em companhia, seus indicadores de felicidade aumentavam mais comparativamente.
A solidão nos ajuda a desenvolver mais nossos talentos. Os grandes cientistas não teriam chegado às suas conclusões se não tivessem tido espaços para realizar seu trabalho de modo solitário. Mesmo os líderes mais admirados precisam assumir a solidão na tomada de certas decisões que nem sempre são compreendidas, mas que são necessárias, segundo a análise publicada na Harvard Business Review. Se não dedicarmos tempo para trabalhar sozinhos, será difícil desenvolver todo o nosso potencial, porque a pressão de grupo nem sempre tem um impacto positivo sobre nós.

Assim, podemos verificar: a solidão é boa, precisamos colocar um parêntesis no ambiente e aprender a estar com nós mesmos. No entanto, deveríamos fazer uma pergunta simples: quanto tempo passamos por dia sem que o mundo ou as obrigações nos distraiam? Nossa agenda, em todos os momentos, inclusive durante as férias, deve incluir um tempo para estar com nós mesmos, sem celular, sem televisão. O objetivo é criar uma solidão, um tempo que nos permita refletir, desfrutar dos nossos hobbies, praticar esporte ou simplesmente não fazer nada. E embora isso não seja compreendido pelos nossos familiares e amigos, precisamos defender esse tempo que será de grande valia para nosso crescimento pessoal. Só assim seremos capazes de nos conhecer melhor, descansar e desfrutar mais das pessoas que estão ao nosso lado.

Fonte: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/07/27/opinion/1532693062_745886.html
Eu Psicóloga.

WhatsApp chat