• Home
  • Autor: Maria de Lourdes Batista

O Sonho e a Psicoterapia

O Sonho e a Terapia

Todos nós sonhamos, uns mais, outros menos. Sonhos bons e sonhos ruins. E muitas vezes procuramos sem sucesso significados para eles.

Segundo a neurologia o sonho faz parte do ciclo normal do sono, tendo relação com período de sono REM – Rapid Eyes Moviment. Mas os sonhos já foram considerados sinais divinos e previsões do futuro pelos antigos egípcios, por exemplo, além de alvo de estudo no comportamento do ser humano desde o século passado.Na psicologia, a teoria mais conhecida a lidar com o sonho é a do Freud (psicanalista). Segundo ele, o sonho seria o cumprimento disfarçado de um desejo reprimido. Muitas vezes não pensamos que outras linhas teóricas trabalhem ou possam trabalhar com sonhos. Porém o sonho é um material importante e pode ser muito trabalhado em terapia, principalmente a comportamental.

Para a psicologia comportamental os sonhos fazem parte de uma classe de comportamentos chamada de ‘encobertos’. Na maioria das vezes os sonhos aparecem de forma metafórica, pois isso favorece a expressão de sentimentos, ideias e fantasias que podem ser difíceis de ser vistos de outra forma.Por causa do sonho se apresentar desta forma que muitas vezes precisamos de ajuda para interpretá-los. É a partir do relato do sonho que o terapeuta aprende mais sobre a subjetividade do seu paciente, buscando interpretar o que o paciente diz e descobrir a ligação entre o sonho e o comportamento apresentado, para então trabalhar em conjunto na melhor solução para o caso.

Sonho em Gestalt – Uma Vivência no Aqui e Agora.

É de extrema relevância  trabalhar junto com o cliente o sonho para trazer mudanças à sua vida, de forma que o possibilite conduzi-la com autonomia. Através de um único sonho relatado pela cliente é possível proporcionar reflexões em sua vida nos mais diversos aspectos, sociais, profissionais, individuais, emocionais, intelectuais, acontecimentos do passado, presente e futuro.

Os sonhos em Gestalt-Terapia não é uma prática de investigação e interpretação de momentos passados da vida da cliente, como nos foi legado pela Psicanálise, a qual ainda é uma das principais referências no que diz respeito a sonhos. Pela vertente Gestáltica o trabalhar com sonhos se fás sem interpretações do terapeuta, porém, com uma postura ativa e questionadora, e enfatiza-se o momento atual da vida da cliente, englobando o todo e o particular, dando-lhe condições para se responsabilizar por sua vida de maneira ativa e transformadora.

O trabalho com sonhos trás benefícios, e desenvolvem esforços próprios  e uma maior capacidade de gerar mudanças em sua vida. Desde o momento da concepção, tem início nos seres humanos um processo de transformação que continuará até o final da vida.

“Depressão pode ser considerada ou confundida com esquizofrenia?”

Nosso post de hoje vai buscar refletir sobre a pergunta  que nos foi enviada:

” Já fiz vários tratamentos para depressão: aquela que precisa de medicamento para se animar… aquela que precisa de medicamento para se aquietar. Atualmente sem dinheiro para ir no meu médico fui ao do “postinho” de saúde e o mesmo me diagnosticou como esquizofrênica…Ele pode ter se confundido no laudo? esquizofrenia é um tipo de depressão? a medicação está me fazendo muito mal, muito enjoo, sonolência e durmo muito atordoada, já falei com o médico que não admitiu meu questionamento acerca da medicação que receitou.O que devo fazer?  Obrigada.”

Para quem tem a demanda como essa senhora que nos enviou seu questionamento, primeiramente é preciso saber:

1.Você já fez acompanhamento psicológico?

Aliado a medicação é muito importante o psicólogo para  ajudar nas suas questões.
Você sabia que não existe só uma versão de depressão?  “Assim como ocorre com diferentes tipos de câncer, diferentes quadros de depressão demandam tratamentos específicos”, informou Helen Mayberg, professora de Psiquiatria, Neurologia e Radiologia da Universidade Emory, nos Estados Unidos. Ou seja, enquanto algumas pessoas vão se dar melhor com remédios, outras têm mais benefícios com a terapia.
A psiquiatria na maioria das vezes trata a Depressão como doença, cujas causas são atribuídas a fatores biológicos e sociais. A Gestalt Terapia
por sua vez é integralmente ontológica, pois reconhece tanto a atividade conceitual quanto a formação biológica de Gestalten.
É fundamental  Identificar as causas da falta de acompanhamento adequado e consequentemente os fatores que contribuem para o agravo da patologia, assim como, elucidar possíveis causas e cuidados sob a visão totalitária da Gestalt Terapia.
Quanto as formas de apresentação da depressão, autores trazem  importantes contribuições discernindo depressão enquanto sintoma, síndrome e doença.
Enquanto sintoma, a depressão pode manifestar-se em variados quadros clínicos, entre os quais: transtorno de estresse pós-traumático, demência, esquizofrenia, alcoolismo, doenças clínicas, etc. Pode ainda ocorrer como resposta a situações estressantes, ou a circunstâncias sociais
e econômicas adversas.
Enquanto síndrome, a depressão inclui não apenas alterações do humor (tristeza,irritabilidade, falta da capacidade de sentir prazer, apatia), mas também uma gama de outros aspectos, incluindo alterações cognitivas, psicomotoras e vegetativas (sono, apetite).
Finalmente, enquanto doença, a depressão tem sido classificada de várias formas, na dependência do período histórico, da preferência dos autores e do ponto de vista adotado. Entre os quadros mencionados na literatura atual encontram-se: Episódio depressivo grave, Episódio
depressivo moderado, Episódio depressivo leve.
As diferenças entre esquizofrenia e depressão são bastante significativas. Apesar de muitas vezes o paciente esquizofrênico apresentar também depressão, esta última quase sempre surge depois de instalada a esquizofrenia.Embora a apatia e a falta de motivação que se manifestam na esquizofrenia também ocorrerem na depressão, ambas as doenças provocam outros sinais e sintomas que podem facilmente diferenciar uma da outra.
Os sintomas da depressão não são apenas psicológicos, são também físicos. Ela é persistente, duradoura, gera sintomas como choro fácil, falta de energia e alterações no peso por exemplo, podendo ser difícil de ser identificada pelo paciente, porque os sintomas podem estar presentes noutras doenças ou serem apenas sinais de tristeza sem se tratar de uma doença com necessidade de tratamento específico. É uma doença que no caso de não se fazer tratamento vai piorando.Na esquizofrenia envolvem alterações específicas do pensamento, da percepção sensorial, do comportamento e do afeto. Um ou mais destes sintomas podem estar presentes em uma pessoa com esquizofrenia.
Há alguns casos de depressão que possuem características psicóticas, ou seja, de perda de contato com a realidade, e incluem delírios ou alucinações, que podem ou não estar relacionados com conteúdos depressivos, dentre outros sintomas. Os delírios são crenças que não se baseiam na realidade. E as alucinações são percepções de objetos, imagens, sons, cheiros ou outras sensações que não existem.
Mas, somente um clínico poderá fazer o diagnóstico preciso e identificar se os sintomas psicóticos fazem parte da depressão ou de algum outro transtorno, como esquizofrenia, por exemplo.Se você apresenta delírios ou alucinações, juntamente com os sintomas depressivos, procure um médico e um psicólogo, para fazer o diagnóstico.
Maria de Lourdes Batista
Psicóloga Clínica
CRP: 04/34969

10 lições de um dos maiores líderes da humanidade: Nelson Mandela

Temos que fazer a experiência de observar para adquirir conhecimento, e para tal precisamos de muita calma e paciência. Hoje em meio ao momento em que vivemos vamos refletir sobre um grande líder: Nelson Mandela.
Vamos homenagear essa pessoa especial também conhecido como Madiba pelo seu povo, foi provavelmente o mais importante ator político contra a discriminação instaurada pelo Apartheid, na África do Sul, se tornou um ícone internacional na defesa das causas humanitárias.
10 lições de um dos maiores líderes da humanidade:
1. Fazer exercícios físicos diariamente não são importantes apenas para a saúde do corpo, mas especialmente para trazer paz para a mente.
2. Autocontrole, jamais reaja com raiva de vaias ou xingamentos ao encarar multidões ou torcidas contra, utilize o exemplo ilustrado no filme “Invictus” : ouça somente os aplausos.
3. Sobre o medo Mandela diz: “Aprendi que coragem não é ausência de medo, e sim o triunfo sobre ele. O homem corajoso não é aquele que jamais sente temor, e sim o que vence seu medo”.
4. Aproveite os momentos de reclusão forçada para estudar. Olhe para dentro de você e escreva os objetivos principais que você deseja para si, para seu futuro.
5. Creia na força das palavras. Elas podem ser um instrumento vital de motivação – antes e durante a luta.
6. Sonhe com a vitória e trabalhe muito por ela.
7. Trabalhar em conjunto com o inimigo é mais produtivo que simplesmente odiá-lo. Foi o que Mandela ensinou na luta à segregação racial em seu país. Treine o perdão no dia a dia, e com isso perca um rival e ganhe um parceiro de batalha.
8. “A glória maior de se viver não consiste em jamais cair, e sim em levantar a cada queda”, disse Mandela.
9. Sentimentos bons são importantes: “Uma boa cabeça e um bom coração são sempre uma combinação formidável”, ensinou o líder.
10. Tenha confiança na vitória final. Como o prisioneiro político Mandela repetia: “Todo e qualquer homem que tentar roubar minha dignidade vai sair derrotado.”
Você já refletiu sobre os itens que Mandela cita? É preciso ser simples e ir além para alcançar o para que viemos ao mundo.
Faça seu caminho!

Saiba lidar com suas frustrações

A frustração é o sentimento que surge quando não realizamos um desejo ou uma necessidade pessoal, ou seja, é a reação a uma expectativa não correspondida.

Gerando também o sentimento de impotência. Apesar de parecer um sentimento decorrente de situações de fracasso, a frustração é de extrema importância para a nossa constituição psicológica. Apesar de ser algo bastante comum, pode ser doloroso e até mesmo incapacitante para algumas pessoas. Muitas pessoas chegam a parar suas vidas por frustrações vividas. Deixando assim de se permitir.

Existem vários motivos para se sentir frustrado.

Basicamente, a frustração e o sentimento de perda, acontecem quando o indivíduo se sente derrotado e incapaz por não obter algo que deseja, apesar de seus esforços para consegui-lo. Ou, ainda, por não ver realizadas as suas expectativas em relação à determinada pessoa ou situação.

Todos nós podemos ser decepcionados ou nos sentirmos frustrados em praticamente todas as áreas da nossa vida, desde o trabalho, até os relacionamentos. Ou, mais frequentemente, com nós mesmos, com nossas auto exigências. Não. Não somos perfeitos, e isso por si só gera frustração, principalmente quando nos comparamos a outras pessoas.

Nunca se compare com o outro, cada um tem suas particularidades.

Se não soubermos lidar com nossas frustrações, supera-las e tê-las como gatilho para seguir em frente, logo estaremos imobilizado por elas. Podendo assim, ocasionar a consequências desastrosas e a vivencia de um sentimento estável de frustação. Podendo desencadear depressão, agressividade, baixa autoestima, traumas e ate mesmo pensamentos suicidas.

Algumas consequências de uma frustração não superada ou controlada:

Raiva

É o famoso “descontar” os problemas em algo ou alguém. Não é raro ver pessoas frustradas, por exemplo, dando murros na parede. Ou, pior ainda, agredindo seus familiares. Depois dessas explosões, além da frustração, vêm o remorso, a autoacusação e mais frustração consigo mesmo, o que leva a um ciclo vicioso difícil de ser interrompido sem ajuda e psicoterapia.

Desânimo

A pessoa perde a vontade de reagir, já que “nada dá certo mesmo”. Para a depressão, e até mesmo às tendências suicidas, é só um passo. Pessoas assim precisam de apoio e incentivo por parte dos seus familiares mais próximos.

Fuga

Se alguma situação deixa a pessoa infeliz e frustrada por não saber lidar com ela, passa a evitar aquela circunstância. Acontece com pessoas tímidas, que não conseguem se relacionar com outras pessoas e, em consequência de não saber lidar com isso, acabam se isolando cada vez mais. Algumas pessoas tendem a “fugir” através da bebida, das drogas ou excesso de comida.

Compensação

O indivíduo acaba se compensando por suas frustrações com coisas que o façam se sentir melhor, mesmo que temporariamente. O perigo é que muitas dessas atitudes podem ser altamente destrutivas, como o vício em bebida, compulsão alimentar que pode desencadear a graves doenças por exemplo.

Pratique a resiliência.

Não deposite suas expectativas em outras pessoas ou situações. Nada nem ninguém vale o seu desequilíbrio emocional. Saiba aceitar suas limitações. Saiba lidar com a imperfeição. Procure entender claramente as causas de suas frustrações, assim você poderá obter mudança diante do seu autoconhecimento. O autoconhecimento é necessário para vivermos bem com nos mesmos e com os outros.

Muitas vezes, não conseguimos “enxergar a luz no fim do túnel”  sozinhos, nesse sentido, é necessária a ajuda psicoterápica. Um bom psicólogo ajudará você a entender os motivos pelos quais se sente frustrado, como lidar com eles e desenvolver resiliência, que é a capacidade que a pessoa tem de se adaptar às situações, mesmo elas sendo adversas ou não esperadas naquele momento.

Invista em você, viva bem, viva feliz, faça terapia!

Como lido com as minhas perdas?

Encontrei essa frase em um artigo: “Quando a vida nos coloca uma oportunidade, sugerindo deixarmos o estado de segurança e conforto em que nos encontrávamos, fazer uma escolha pode não ser algo simples. A proporção da mudança será maior ou menor segundo seja a disposição do ser em correr riscos.” A expressão correr riscos chama atenção em vista de fazer um convite; saia da sua zona de conforto, expressão que também se tornou habitual.

Em toda escolha há perdas e ganhos, portanto, uma escolha é também uma renúncia.

Quando percebemos que vamos perder algo diante de uma escolha, as vezes não realizamos tal escolha, não buscamos tal consciência e assim deixamos a vida no levar.

Veja essa informação: “Estudos mostram que, em média, 70 decisões são tomadas em um dia comum, ou seja, estamos fazendo escolhas a todo momento, escolhemos o que comer, que roupa vestir, o modo como nos comportaremos, o que vamos falar, e de que maneira falar. É claro que se pode classificar as escolhas mediante seu grau de complexidade, tendo-se em conta o tamanho de sua repercussão na vida.”

É certo que todo ser humano tem em si mesmo a capacidade de perceber o que deve ou não fazer. Porém, procrastinamos e perdemos o foco, deixando de lado o essencial.

O essencial.

As vezes não conseguimos dar nome para o essencial, é preciso fazer um processo de autoconsciência para viver com o essencial e perceber os ganhos obtidos.

É preciso abrir mão do que não presta e nos dedicar àquilo que é essencial.

Como você lida com as perdas?

Deixe aqui seu comentário.

 

A importância do atendimento online

A internet tem permitido uma facilidade para a vida das pessoas. Muitas consideram que aumenta a conectividade entre elas, diminuindo a distância e facilitando na comunicação como um todo, mas, principalmente, este meio de comunicação gera um bom rendimento no tempo gasto nas tarefas pessoais e profissionais.
As indicações para este tipo de atendimento são variadas, desde orientações de como proceder diante de relacionamentos amorosos, profissionais, entre pais e filhos e orientação profissional até acompanhamento e orientação no desenvolvimento da criança e do adolescente, entre outras demandas (EVARISTO, 2011). O autor Prado (2002)  afirma: a pessoa que busca a terapia online tem como vantagem a fácil acessibilidade, pois as que moram em localidades onde não se encontram profissionais especializados podem ter acesso; bem como, as pessoas tímidas podem se sentir mais a vontade para falar de seus medos e angústias.

Segundo Pinto (2002), “muitos profissionais reagem como se a intermediação do computador retirasse toda a qualidade terapêutica de suas intervenções” (p. 170), porém a autora considera que essas home-pages de orientação, principalmente as de orientação vocacional, são de grande ajuda para a proliferação da Psicologia e suas áreas de atuação, podendo ser consideradas como um segundo tipo de inserção psicológica. A autora ainda cita que outra vantagem de se exercer o atendimento psicológico pela internet é a diminuição que pode ser feita no custo do trabalho, isso pode acontecer porque não é necessário ao profissional Psicólogo se utilizar de consultórios.

Agende pelo e-mail: [email protected] ou pelo Whatsapp 37 998265019

Fonte:  Psicologado.com.br

Ansiedade e medo estão intimamente relacionados

Querido leitor vá devagar, não deixe a ansiedade te dominar.

É comum a preocupação com o futuro e os anseios que nos rondam. Mas, se essa preocupação tem te tirado do controle de sua vida, tem te paralisado, causando medos, tristezas e outros sentimentos maléficos a sua vida, chegou a hora de descobri-los e tratá-los. A ansiedade pode ser considerada um dos grandes males da atualidade.

O que é ansiedade?

A ansiedade é um estado natural que antecipa uma situação de desafio ou de perigo, como conhecer alguém importante ou novo, apresenta-se em um trabalho, viajar para um lugar novo, realizar uma prova importante, etc. No entanto, esse estado ansioso passa e a pessoa volta ao seu estado normal após determinado acontecimento.

É considerada patológica, quando o estado ansioso permanece sem que haja nenhuma situação iminente ou mesmo quando há um estímulo, mas a resposta ansiosa é desproporcional e exacerbada. Ansiedade e medo estão intimamente relacionados, bem como o sentimento de vazio, angústia e a timidez.

Os transtornos ansiosos são classificados em diferentes tipos, entre eles: Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), a Síndrome do Pânico, Transtornos fóbico-ansiosos.

Ansiedade um mal do mundo moderno

 

A ansiedade patológica é um transtorno mental sério que, se não tratado, pode desencadear graves crises de pânico.

Sintomas: Os transtornos de ansiedade são caracterizados por sintomas emocionais, cognitivos e físicos, veja:

Emocionais: irritabilidade, sentimento de culpa, medo, preocupação exacerbada com futuro e com a saúde, rebaixamento do humor, comportamento de fuga, nervosismo;

Cognitivos: dificuldade de concentração, pensamentos negativos, aceleração dos pensamentos ou “vazio” na mente, linguagem afetada;

Físicos: dor no peito, taquicardia, formigamento, sudorese, calafrios, “frio na barriga”, tensão muscular, desconforto gastrointestinal, dificuldades para dormir…

 As causas da ansiedade podem estar relacionadas a diversos fatores, dentre eles:

* Genética e hereditariedade;

* Ocorrência de um evento estressor: por exemplo, morte ou doença de alguém próximo, situações adversas no trabalho, rompimento de relacionamento de forma traumática, etc;

* Perfil de comportamento e pensamento: pessoas muito aceleradas, autocríticas e introspectivas;

* Traumas prévios na infância, adolescência ou mesmo na idade adulta.

O mais importante é tratar a raiz do problema, para que esse transtorno possa ir aos poucos saindo de sua vida. A terapia mostra  ao paciente o porquê dele estar se sentindo desta forma, auxilia a encontrar  quais situações são causadoras desta sensação de ansiedade.

Algumas dicas da psicóloga também podem ajudar você no autocontrole; nunca foque somente no lado negativo das situações. Veja que sempre há dois lados e busque focar no melhor. Faça atividade física ou outra atividade que te dê prazer. Busque estar ao lado de pessoas que você ama. Se ame e não aceite aquele sentimento que te faz mal. E o mais importante invista em você, no seu bem estar, na sua saúde, busque a terapia. Ela é essencial para uma boa qualidade de vida. Você é merecedor de uma vida saudável!

Viva bem, viva feliz, faça terapia!

Quais são as correntes que te prendem?

Você sabia que nossa mente é a maior responsável por nosso sucesso, fracasso, felicidade, tristeza, entre tantos outros sentimentos?

Tudo tem início na mente. Nossos desejos, sonhos, pensamentos, dificuldades, desafios, sucesso, enfim, antes de sentirmos, pensarmos, a mente do ser humano grava e executa tudo que lhe é enviado. É essencial para o nosso equilíbrio emocional e mental filtrar o que cultivamos nela.

É necessário ter o autoconhecimento, para saber o que  realmente tem tido  efeito em nossa vida, e o que é apenas uma corrente mental que nos aprisiona, nos deixa incapazes de agir, de obter sucesso em qualquer área de nossa vida, que gera medo, insegurança, frustação e tristeza. Muitos estão presos em correntes invisíveis, que só existem no nosso pensamento não filtrado: o medo de fracassar, o medo de perder algo ou alguém, a vergonha.  Por vezes deixamos de fazer o que realmente temos vocação por medo de fracassar. Impossibilitando  viver uma realização pessoal verdadeira e prazerosa. São essas correntes que impedem de ir além, seja no seu relacionamento interpessoal, vida sentimental, financeira…

A tristeza e angústia. É fato que  perdemos tanto tempo com algo que nos fez mal, que nos feriu, que  esquecemos de seguir em frente. Estamos  ali remoendo, presos. Por mais que seja difícil passar por tribulações, somos capazes e devemos seguir em frente, tirar da mente e do nosso coração os sentimentos que nos aprisionam.  Temos momentos ainda melhores para viver do que aqueles que ficaram no passado.

Dependência e comodismo –  um de nossos maiores erros é se acomodar com o que esta BOM, se temos o MELHOR a nossa frente. Se você não for atrás de seus ideais eles não irão bater em sua porta. Até chegarmos a um futuro brilhante, temos uma jornada pela frente, de muito trabalho e dedicação…

Durante nossa jornada, também não devemos cair na dependência de alguém, que possa fazer algo por você, ou que seja a razão de seu viver.  Pois se você encontrar alguém que ocupe o lugar que é seu, ele não irá agir por você, e sim por ele só.  Há coisas que somente nós podemos fazer por nós mesmos.  Visualize você sorrindo, se olhe no espelho e dê um sorriso de bom dia para você ao acordar. Eleve sua autoestima. Dê boas-vindas ao seu dia. Pense positivo sempre ao acordar.

Quem cultiva pensamentos que promovem ânimo e coragem, com certeza prosseguirá de encontro ao seu alvo pessoal. Tendo consciência que pensamentos positivos me proporcionarão sentimentos agradáveis e que promoverão a minha paz, leveza, felicidade e realizações. Por que perderei meu tempo precioso inutilmente, cultivando sentimentos ou emoções destrutivas como o desânimo, medo, raiva e magoa?

Isto não é fácil! Sinceramente é muito difícil, porém possível. Busque ajuda, busque se autoconhecer, busque alguém para conversar e te ajudar a chegar a pontos estratégicos para uma mudança, e para a quebra dessas correntes destrutivas em nosso pensamento. Faca terapia!

Qual o seu grau de descontrole emocional?

Você sabia?

desequilíbrio emocional é caracterizado pelas alterações de humor e facilidade em “sair do eixo” diante de acontecimentos negativos e imprevistos. As responsabilidades diárias, a sobrecarga profissional, os relacionamentos amorosos, as frustrações e a necessidade de se adequar aos padrões impostos pela sociedade são alguns fatores que podem causar sérios desequilíbrios. O descontrole emocional pode ser acompanhado por arrependimentos, que por vezes vemos irremediáveis. Não é possível voltar atrás e no tempo, mudar ações impensadas ou precipitadas. Mas você pode começar a ver tudo de outra forma, pode tirar proveito dessas situações ao invés de ficar remoendo e sofrendo.

Temperamento forte ou transtorno bipolar?

Saiba que e os dois podem estar ligados. E você pode estar sofrendo desse mal, que se não identificado e tratado pode te ocasionar a vários problemas. Temperamento forte pode significar uma pessoa que sabe o que quer, mas também significa uma pessoa muito difícil de lidar. Quando este temperamento incorre em descontrole emocional? Uma das possibilidades para entender esta pessoa seria o diagnóstico do transtorno bipolar.

A bipolaridade é um transtorno mental onde a pessoa não reage ao que acontece da forma que se espera, não responde proporcionalmente a ocasião, ou ela fica muito agitada, agressiva, explosiva, impulsiva e distraída, e sem se ter nada que justifique essas reações, ou em outros momentos o comportamento é apático, desanimado, triste, ansioso, não sente prazer nas coisas e isso também em situações onde não há elementos que justifiquem estas ações.

Quando os sintomas são mais brandos dizemos que a pessoa tem episódios de descontrole emocional, mas quando são tão intensos a ponto de causar graves prejuízos pessoais pode caracterizar um transtorno bipolar. Algumas pessoas são mais sensíveis e estão mais suscetíveis a esses acontecimentos, mas isso não quer dizer que não pode acontecer com qualquer pessoa. As emoções estão presentes em todas as situações da vida, e quando elas estão em desarmonia, podem fazer com que você se porte de maneira inadequada e tenha prejuízos em sua saúde e relacionamentos.

O desequilíbrio emocional não é responsável apenas por causar sintomas mentais e sentimentais. Ele pode causar diversos problemas físicos, tais como: fortes dores musculares, dores de cabeça, gastrite, estresse e até mesmo depressão. Saiba que nossa mente é a maior responsável por nossa felicidade, nossa saúde, nossas conquistas… Tudo começa na mente. Trabalhe sua mente e as causas de seu desequilíbrio.

Preste atenção no que está causando o seu desequilíbrio emocional.

Pode ser o excesso de trabalho, algum problema pessoal, em relacionamentos, ou de saúde. Até mesmo os traumas não tratados, podem levar ao desequilíbrio emocional e até a bipolaridade. Somos tendenciados a esconder problemas e fazer de conta que nada está acontecendo. Tente descobrir o que está  deixando o seu emocional abalado e encontre alternativas de entrar novamente no eixo. Busque um amigo, e também um psicólogo.

Seja autoconfiante. Seu estado de desequilíbrio emocional não pode e nem deve afetar sua confiança, seu potencial e suas qualidades. Você pode, você consegue  e você é incrível. Todos nos podemos hoje, ser melhores que ontem. Volte e retome o controle, domine a raiva, pense positivo, não deixe que a tristeza e os sentimentos que te fazem mal dominem você. Pense nos motivos que você tem para agradecer e ser feliz.

Seja otimista. Ninguém gosta de estar ao lado de pessoas negativas, que reclamam o tempo todo. Pessoas negativas geram ambientes negativos. Se você está sempre com pensamentos negativos, isso vai piorar ainda mais o quadro emocional. Tente pensar positivo e emanar energias positivas. Seu emocional irá agradecer.

Inteligência Emocional é a capacidade de sentir, entender, controlar e modificar o seu próprio estado emocional ou de outra pessoa.  Invista em você, invista na terapia. Ela irá te ajudar a viver leve e feliz.

 

 As escolhas movem nossas vidas!

Escolher é tão difícil.  Escolher não é difícil!

Vivemos um tempo que falamos demais, pensamos demais e agimos pouco. Tomamos poucas decisões porque não temos consciência do aqui e do agora. Ou seja, do que nós precisamos fazer hoje, a eternidade é hoje.  Mas, por vezes a deixamos para amanhã ou no passado. O mais importante é fazer as escolhas certas hoje.

Você tem feito escolhas com consciência?

Se a resposta for não, você precisa buscar um autoconhecimento, um autodesenvolvimento, para poder alcançar seus objetivos e realizações pessoais. Tudo que apenas falamos e guardamos em nosso pensamento ficará apenas ali. Se não conseguimos agir diante de situações diversas, não colheremos nenhum fruto de nossas ações. Ficaremos parados no tempo, frustrados, cansados e com a sensação de estar vivendo em vão.

Você conhece alguém, ou seja, esse alguém, que tenha vários sonhos e objetivos, mas, por algum motivo sempre se encontra parado no mesmo lugar, na mesmice, no tempo?  Então, está faltando ação, foco, consciência e análise da situação.

Porque você não está onde deseja ? Sonhos, vontades e objetivos, foram feitos para serem alcançados. Todo caminho leva a um lugar. Saiba escolher o caminho certo para chegar onde deseja.

 As escolhas movem nossas vidas!

E como fazer uma escolha consciente?

Analisando as consequências de cada escolha.

Toda escolha gera uma renúncia. Se soubermos o que estamos renunciando, podemos ter plena consciência do que estamos escolhendo. E só assim podemos nos responsabilizar plenamente pelas nossas vidas.

Quem nunca tomou uma decisão e logo após fechou os olhos e disse: “Por que fiz isso?”; Ou até mesmo: “por que não fiz o que deveria ter feito?”.

Estas questões aparecem em nossa mente constantemente, e nos faz ficar indecisos, com relação aos nossos próprios desejos. Normalmente, tornam-se fantasmas, que atormentam nossas vidas.

Por este motivo, dizemos que: escolher é tão difícil. Escolher não é difícil!

Quando se tem autoconhecimento, autoconsciência e Autorresponsabilidade tudo fica mais fácil. Busque  terapia para se autoconhecer, para começar a ter o poder de decidir, a ter ações  que irão te levar a algum lugar, que irão te levar onde você tanto deseja estar.  Sem culpa, sem arrependimentos, sem medo, sem insegurança e sem frustações. Realizações pessoais fazem bem para você, fazem bem para sua saúde.

Viva bem, Viva feliz,  invista em você, faca terapia!

 

WhatsApp chat