• Home
  • Autor: Maria de Lourdes Batista

Como melhorar da depressão pós cocaína?

Pergunta feita pelo leitor do site www.apsicologiaonline.com.br

Olá Antônio, se você fala sobre depressão o seu uso de cocaína já tem prejuízo ou sofrimento clinicamente significativo para sua vida.

Esse é o primeiro passo, tomar consciência do grau de comprometimento que você se encontra. A cocaína faz parte do grupo que atua no Sistema Nervoso Central, é uma droga que estimula esse sistema acelera a atividade do SNC (euforia, agitação psicomotora, inibição da fome,sensação de coragem e poder).


Na sua história pessoal o quadro de depressão poderá ser uma realidade, ou seja pessoas da sua família tem ou tiveram depressão- com o uso da cocaína tem fator agravante.
O quadro depressivo é comum na vida de usuários de substâncias químicas e pode trazer graves consequências se não tiver o acompanhamento adequado.
O uso de drogas está relacionado com os problemas pessoais.
Existe também a possibilidade de quando o consumo da substância é cortado subitamente pode ocorrer a chamada síndrome de abstinência, que consiste em efeitos contrários aos causados pelas drogas. Por esse motivo, a parada repentina no uso de certas substâncias químicas também pode levar a um estado depressivo, fazendo com que o indivíduo se sinta abatido e triste, sendo invadido por pensamentos negativos.


Você pergunta como melhorar da depressão após o uso?


O primeiro passo é buscar ajuda profissional, por isso descrevi esse percurso, você pode ter uma depressão ou um estado depressivo, é preciso investigar o quadro em que você se encontra.
Procure um profissional que tenha especialização em dependência química e faça um processo de autoconhecimento.

Fique bem.
Maria de Lourdes Batista

Arte de Viver sem Vícios.

É possível sair das drogas?

É uma pergunta difícil de responder, porém existem pessoas que conseguiram , fizeram o seu processo de autoconhecimento e desenvolvimento . O sistema familiar colaborou com esse processo e assim sair das drogas é possível.

Deixo alguns depoimentos:

Entre o seu desenho e suas metas de recomeço de vida.

Depoimento I

Cassiano, presidiário, havia cometido um homicídio, mas não admitia.

O processo dele de psicoterapia durou cerca de 01 ano. A família de Cassiano era comprometida com o mundo do crime, pai, mãe, irmãos. Ninguém acreditava que um dia ele poderia sair da penitenciária.

De repente as motivações foram surgindo: descobriu uma espiritualidade, desejou conhecer sua filha e descobriu que gostava de trabalhar.

E mais, houve uma remissão de pena para ele, antes ele tinha um comportamento impulsivo na penitenciária que o comprometia bastante, não conseguia ficar um dia na rua que logo arrumava confusão.

De repente surge a mudança, o diálogo se estabelece entre ele e a psicóloga, entre ele e a filha, entre ele e o mundo externo, entre ele e sua fé.

Depoimento II

Antônio, empresário, 33 anos, tinha vários pensamentos e não conseguia dominá-los. Ele sempre pensava que as pessoas não gostavam dele e que tudo iria dar errado.

Na droga encontra conforto para aliviar sua dor. De repente está viciado em cocaína, não consegue controlar, mas consegue se superar no trabalho. Porém, para ficar ligado usa a cocaína, depois se envolve com o jogo e outros vícios que o arrastam para o fundo do poço.

Até que resolve pedir ajuda e faz um relato significativo, ele não conseguia controlar seus pensamentos; quando era criança pensava que era “burro” pois sua tia querida falou com ele, quando lhe ensinava o dever de casa. Ele relata que a partir dai tinha uma baixa estima e não conseguia conviver de forma “limpa” com as pessoas.

Podemos dizer que ele tinha o pensamento imaginativo.

O funcionamento imaginativo dependente da sensibilidade , que vibra de forma agradável ou dolorosa. Por vezes, nossa inteligência embeleza o real, ora imagina um futuro colorido, ou enfeita o real, ou imagina um futuro preto. Assim, decolamos do real e transforma o real. Ou seja, não vemos o que acontece de forma correta.

Como Antônio solicitou ajuda, conseguiu separar o real do imaginário, a sua dor e seu vício.

Então, começou a compreender o seu processo. É nesse sentido que vamos perceber o que fere a nossa sensibilidade.

Assim, Antônio percebeu sua transformação e teve atitudes de compromisso consigo mesmo.
Temos em nosso caminho de descoberta como pessoa humana, uma área importante, a sensibilidade . A sensibilidade é comparada a uma fita magnética que registra todo o nosso passado desde a concepção, passando pela infância e adolescência.

É preciso curar essa feridas, para então elaborar o vício que estabelece numa situação viciante.

Arte de Viver sem Vícios. Psicologia e Saúde Emocional.

O Adolescente e as drogas.

O único vínculo que estabelece para com seu pai é “não sei quem é meu pai”.


Hoje vou falar de um caso, um adolescente infrator e seu trauma – ele não conhecia seu pai e não tinha seu nome na certidão de nascimento.

É importante ter o nome do pai na certidão de nascimento?

Conheci esse adolescente com seus 11 anos de idade, ele já conhecia uma arma, já tinha uma arma em suas mãos.

Seu nome – Felipe, ele tinha grande dificuldade de usar as palavras, o que ele dizia era: “hum”, “sim”, “né”, “não sei”.

Além de suas fragilidades próprias e de seu contexto familiar, o adolescente encaminhou-se para a marginalidade, participando de grupos e cometendo atos infracionais.

Sua mãe insistia por uma internação, pois não suportava a situação do seu filho: bebendo e autor de vários atos infracionais e “sem limites”.

A mãe dizia: “não consigo colocar limites para ele”.

O adolescente apresentou dificuldades desde sua infância, como: transtorno desafiador de oposição (em relação à autoridade), desobediência ativa, baixa autoestima, mau prognóstico na vida adulta, transtorno de conduta, (a incidência aumentando com a idade, desrespeito aos direitos básicos das outras pessoas, roubo, difícil tratamento, abuso de substâncias psicoativas).

A mãe o encaminhou para consulta com clínico geral, neurologista e outros. A mãe sustentava também o vício do filho, pois temia que pudesse roubar por causa do vício.

O único vínculo que estabelece para com seu pai é “não sei quem é meu pai”.

É dessa forma que o adolescente se refere ao pai, sempre diz não saber quem ele é. O convívio social é estabelecido apenas com outros usuários de drogas.

Fica claro que suas dificuldades foram:

o nome do pai do adolescente não consta na sua certidão de nascimento, não foi uma gravidez planejada, ingestão de álcool durante os nove meses da gravidez, parto normal, mas com problemas sérios (anemia e broncopneumonia).

Felipe dormiu com a mãe até os oito anos de idade.

Apresenta-se lento em seu desenvolvimento, aprendendo a dar nó no cadarço do sapato somente aos quatorze anos.

Não gostava de ir para escola, denotando aparente hiperatividade.

Foi feita a avaliação diagnóstica, investigando os tratamentos anteriores. Felipe não fala sobre quais as drogas que ele utilizava, qual a frequência e a quantidade.

A mãe parou de trabalhar oito meses para acompanhar o processo do adolescente, mas diz: “ele continua com o uso de drogas, não respeita as regras”.

Após passar por testes para validar a avaliação psicológica solicitada pelo juiz, Felipe aceitou o tratamento na Comunidade Terapêutica, realizou os exames para sua internação, compareceu à consulta com psiquiatra, sendo medicado com Tecretol.

Realizou tratamento dentário e clínico geral. Em seguida fez seus documentos, carteira de identidade e CPF.

Felipe também queria aprender a fazer algo para vender e ganhar dinheiro. Seu desejo de vender revelava o desejo de produzir algo bom e oferecê-lo a alguém.

Essa experiência de trabalhar e de produzir, fazer algo, fez com que ele pudesse também oferecer coisas boas às pessoas, e não tão somente seus atos de infração ou fazer conexão com o mundo simplesmente através do uso/abuso de drogas.

Felipe hoje está casado, e ser pai deu a ele uma felicidade sem igual. 

Foi um processo doloroso, durou 4 anos esse acompanhamento.

Não Desista

Isso mesmo, não desista de ser você.

Invista tempo e foco.

Seja o autor da sua existência.

“Se a vida é um palco eu sou o Show.”

Um cliente me disse, que depois que passou a fazer o seu processo de autoconhecimento, ele senti que a vida dele passou a ser um palco, onde ele faz o show.

Ele era uma pessoa tímida, tinha dificuldades de expressar seus sentimentos e falar sobre eles.

Queria ser diferente…

Fico pensando em milhares de pessoas que desejam ser diferentes mas não ousam ser. 
As vezes é difícil dar o primeiro passo, e é mesmo.

Mas, conheço pessoas que fizeram a experiência de sair de si e ir em busca de suas metas.

Façamos da nossa vida um palco.
Coragem, ouse ser você.

Assim vencemos as resistência…

Sim ou Não?

Maria de Lourdes Batista
Arte de Viver. 
São programas que propõe o encontro consigo mesmo para a solução de conflitos.

Reciclar as Emoções e sentimentos.

As emoções são respostas neurais para estímulos externos, enquanto os sentimentos são respostas às emoções.

Emoção e sentimento são considerados movimentos diferentes tanto para o psiquismo como para a psicologia.

O ser humano está em processo permanente de transformação e estar consciente disto ajuda a reciclar, libertar as emoções e situações não resolvidas, dando espaço para cada momento novo, aqui e agora. Ter uma vida sustentável emocionalmente é ser capaz de se sentir antes de pensar, é descartar os lixos emocionais, não deixando Gestalten abertas

Emoções

Muitas pessoas confundem emoção e sentimentos. Qual a diferença entre as duas, isso pode ajudar você a ganhar mais equilíbrio sobre nossa vida.E

Paul Ekmann, um dos primeiros psicólogos a pesquisar as emoções e a linguagem corporal, reconheceu as emoções de tristeza, alegria, raiva, desprezo e nojo. O que elas têm em comum é que são reações diretas e rápidas à circunstâncias do ambiente e da vida.


A palavra emoção vem do latim emovere.

O ‘e’ significa ‘energia’ e ‘movere’ significa ‘movimento’.

Toda emoção, que normalmente percebemos e usamos de forma negativa, existe para nos ajudar a movimentar nossa vida, a MUDAR o que não está bom ou em desequilíbrio. E se não movemos todas essas energias para fora, elas acabam gerando doenças ou dores dentro de nós.”.

Uma emoção é um conjunto de respostas químicas e neurais baseadas nas memórias emocionais, e surgem quando o cérebro recebe um estímulo externo. O sentimento, por sua vez, é uma resposta à emoção e diz respeito a como a pessoa se sente diante daquela emoção.

Emoções e sentimentos

As emoções dão origem aos sentimentos, esses dois tipos de reação estão totalmente relacionados entre si. Da mesma forma que uma emoção desperta um sentimento, um sentimento é capaz de gerar mais emoções da mesma espécie.

Ter consciência de suas atitudes e dos seus sentimentos , é fundamental para se recuperar de uma emoção ou sentimento negativo. Esse processo possibilita o equilíbrio emocional.

As emoções são reações inconscientes, enquanto os sentimentos são uma espécie de juízo sobre essas emoções.

Dei uma resposta agressiva para alguém, logo vou pensar, “não fui correto”, poderia ter sido mais educado.

A pessoa fez uma pergunta, você não gostou dela e logo já deu uma resposta que machucou a outra pessoa. Brotou o sentimento de culpa, de tristeza …

Origem

As emoções e sentimentos acontece já na vida intrauterina. É cientificamente comprovado que as emoções e sentimentos dos pais são transferidos para o bebê durante a gestação: todos os medos, tristezas, raiva, alegrias, amor e culpa que os pais sentem também são sentidos pelo bebê.

A partir dessas experiências e até os sete anos de idade, a pessoa desenvolve seus programas emocionais. É nesse período que ele registra e interpreta todas as emoções e experiências de acordo com seus sentimentos, transformando suas interpretações em padrões emocionais e comportamentais que podem refletir por toda a vida.

As emoções como medo, raiva, tristeza e alegria podemos dizer que fazem parte do desenvolvimento de todo ser humano e está diretamente ligada a sua sobrevivência.

Quando bem direcionadas, servem para impulsionar e proteger a pessoa de diversas situações do dia a dia.

Se faz necessário melhorar e desenvolver suas emoções. Nossa inteligência emocional pode ser desenvolvida, treinada e aprimorada por meio da construção de novos hábitos, novas formas de pensar e se comportar e de ser no mundo.

Se você quer desenvolver sua capacidade de lidar melhor com as emoções e seus sentimentos, conheça nossos programas , são 10 sessões trabalhando A Arte de Viver sem vícios, sem ansiedade, gerindo os conflitos na família.

A emoção e os sentimentos auxiliam no uso das habilidades interpessoais e do autoconhecimento.

Fique por dentro

Vamos resolver os Conflitos Familiares?

O Programa os conflitos familiares trabalha com a psicologia do desenvolvimento e processos de criação para o autoconhecimento e gerenciamento dos conflitos.

O que é trabalhado:

é um processo de aprendizagem com o uso da Psicoeducação, que é uma intervenção terapêutica para compreensão do transtorno e como será o seu tratamento, incluindo o conhecimento dos aspectos emocionais, capacitando as pessoas bem como os familiares, a enfrentar com  situações praticas as questões  vivenciadas pelo paciente nos momentos de conflitos e tensões. Visa buscar uma ordem interna, compreendendo  também a ordem que o mundo  expressa para o ser humano. Auxiliando no posicionamento da criança, do adulto e da família frente as informações que recebemos.

Temas: Traumas, sentimentos de não existência e ansiedade.

Acesse: https://www.apsicologiaonline.com.br/produto/programa-arte-de-viver-gerando-conflitos-familiares/

Meu Filho é desatento.

Uma mãe me enviou um e-mail com essa questão, de desatenção.

Vamos entender um pouco mais sobre a desatenção.

A distração, a desatenção e falta de concentração poderá ocorrer na criança por falta de organização e foco.

Desatenção é sintoma do TDAH

E o que é isto afinal?

Distração tem dois significados principais. O primeiro é diversão, lazer. O segundo é falta de atenção, pouca concentração.

Prestar atenção, significa inibir distrações, de forma flexível e de acordo com as necessidades de cada tarefa. No TDAH, estas capacidades estão prejudicadas. É necessário auxiliar a criança no gerenciamento das suas atividades.

As capacidades de atenção e memória de curto prazo são as funções cognitivas mais suscetíveis à influência prejudicial de fatores internos ou externos. Nesse sentido, torna-se ainda mais complexo buscar explicações para os problemas de atenção, em todas as suas formas. A saber: Distração (dificuldade em fechar o foco), em sustentar o esforço e flexibilidade cognitiva.

Um ponto importante.

Insegurança, dificuldades de escolher, baixa autoestima, são situações que comprometem o desenvolvimento da criança.

A desatenção é a capacidade limitada de permanecer atento por um tempo necessário para realizar ou compreender determinada tarefa.

É importante reforçar que para considerarmos a falta de atenção como um sintoma de TDAH deve-se observar sua frequência, persistência e duração, e essas manifestações devem necessariamente  trazer prejuízos para a vida do indivíduo.

Observar esses prejuízos e percebe-los no cotidiano da criança.

O comportamento desatento de uma criança pode ser motivado por vários fatores, incluindo um transtorno de aprendizagem.

Verifica-se uma dificuldade de aprendizagem quando a criança é capaz de executar as tarefas, possui as habilidades necessárias, mas não as demonstra de forma constante.

O transtorno de aprendizagem seria uma dificuldade significativa na capacidade em desenvolver habilidades e aprender, incluindo dislexia, disgrafia e discalculia.

Os transtornos de aprendizagem são distúrbios que afetam a leitura, escrita, capacidade intelectual, atenção.
Uma avaliação psicopedagógica cautelosa poderá ajudar a diagnosticar a presença ou não destes distúrbios que acabam afetando diretamente o desenvolvimento do aluno, sua auto estima e atingindo também pais e educadores.

Por que perdemos o foco nas tribulações?

De repente um vento forte arranca o telhado, deixa sua casa sem proteção, molha as paredes e aquela sensação de medo; será que ela vai cair?

A chuva forte arranca o telhado que parecia seguro há 20 anos. O telhado simboliza proteção e abrigo. Ele tem uma representação semelhante à cabeça na estrutura do corpo humano.

Nesse sentido a sensação inicial é de perda, de fracasso, não vai dar para começar novamente. O corpo fica frágil e a doença se aproxima indicando que não tem forças para ir atrás do conserto.

E a vida é assim, se viver é uma arte, como perdemos o foco em meio as tribulações?

Parece que tudo se perde, o sentido da vida voa também como as telhas que foram lançadas fora pelo vento forte.

Nas palavras de Drummond encontramos um fio de esperança:

” Mesmo que o hoje te dê um não, lembre-se que há um amanhã, a certeza dos passos devem ser traçados ao lado de quem nos ama; e que o amor, a paz, a confiança e a felicidade, é a base para o recomeço.”

As vezes os apegos são empecilhos para os passos seguintes, a dificuldade de parar e pensar no que fazer agora, acreditando em si mesmo, na busca do que será prioridade daqui pra frente.

Um acontecimento marca uma nova etapa, mas, é preciso observar o tempo presente.

A vida, é como um livro do qual nós somos os autores, ele não vêm pronto, antes de nascermos ele está em branco, ao nascermos introduzimos as primeiras passagens – um começo e com o tempo através das escolhas vamos escrevendo-o página por página, rabiscadas, rasgadas ou marcadas, onde encontramos obstáculos, nos últimos dias de vida concluiremos, e no final deixamos nossas historias marcadas no coração daqueles, que sempre farão parte de nossa historia.

Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo, é renovar as esperanças na vida e o mais importante, acreditar em você de novo.

As lembranças passadas ficam, vivemos o que era pra ser vivido.

Reconstrua seu telhado e crie forças para ser forte diante dos conflitos.

Arte de viver.

Maria de Lourdes Batista.

WhatsApp chat