Meu Filho é desatento.

Uma mãe me enviou um e-mail com essa questão, de desatenção.

Vamos entender um pouco mais sobre a desatenção.

A distração, a desatenção e falta de concentração poderá ocorrer na criança por falta de organização e foco.

Desatenção é sintoma do TDAH

E o que é isto afinal?

Distração tem dois significados principais. O primeiro é diversão, lazer. O segundo é falta de atenção, pouca concentração.

Prestar atenção, significa inibir distrações, de forma flexível e de acordo com as necessidades de cada tarefa. No TDAH, estas capacidades estão prejudicadas. É necessário auxiliar a criança no gerenciamento das suas atividades.

As capacidades de atenção e memória de curto prazo são as funções cognitivas mais suscetíveis à influência prejudicial de fatores internos ou externos. Nesse sentido, torna-se ainda mais complexo buscar explicações para os problemas de atenção, em todas as suas formas. A saber: Distração (dificuldade em fechar o foco), em sustentar o esforço e flexibilidade cognitiva.

Um ponto importante.

Insegurança, dificuldades de escolher, baixa autoestima, são situações que comprometem o desenvolvimento da criança.

A desatenção é a capacidade limitada de permanecer atento por um tempo necessário para realizar ou compreender determinada tarefa.

É importante reforçar que para considerarmos a falta de atenção como um sintoma de TDAH deve-se observar sua frequência, persistência e duração, e essas manifestações devem necessariamente  trazer prejuízos para a vida do indivíduo.

Observar esses prejuízos e percebe-los no cotidiano da criança.

O comportamento desatento de uma criança pode ser motivado por vários fatores, incluindo um transtorno de aprendizagem.

Verifica-se uma dificuldade de aprendizagem quando a criança é capaz de executar as tarefas, possui as habilidades necessárias, mas não as demonstra de forma constante.

O transtorno de aprendizagem seria uma dificuldade significativa na capacidade em desenvolver habilidades e aprender, incluindo dislexia, disgrafia e discalculia.

Os transtornos de aprendizagem são distúrbios que afetam a leitura, escrita, capacidade intelectual, atenção.
Uma avaliação psicopedagógica cautelosa poderá ajudar a diagnosticar a presença ou não destes distúrbios que acabam afetando diretamente o desenvolvimento do aluno, sua auto estima e atingindo também pais e educadores.

Por que perdemos o foco nas tribulações?

De repente um vento forte arranca o telhado, deixa sua casa sem proteção, molha as paredes e aquela sensação de medo; será que ela vai cair?

A chuva forte arranca o telhado que parecia seguro há 20 anos. O telhado simboliza proteção e abrigo. Ele tem uma representação semelhante à cabeça na estrutura do corpo humano.

Nesse sentido a sensação inicial é de perda, de fracasso, não vai dar para começar novamente. O corpo fica frágil e a doença se aproxima indicando que não tem forças para ir atrás do conserto.

E a vida é assim, se viver é uma arte, como perdemos o foco em meio as tribulações?

Parece que tudo se perde, o sentido da vida voa também como as telhas que foram lançadas fora pelo vento forte.

Nas palavras de Drummond encontramos um fio de esperança:

” Mesmo que o hoje te dê um não, lembre-se que há um amanhã, a certeza dos passos devem ser traçados ao lado de quem nos ama; e que o amor, a paz, a confiança e a felicidade, é a base para o recomeço.”

As vezes os apegos são empecilhos para os passos seguintes, a dificuldade de parar e pensar no que fazer agora, acreditando em si mesmo, na busca do que será prioridade daqui pra frente.

Um acontecimento marca uma nova etapa, mas, é preciso observar o tempo presente.

A vida, é como um livro do qual nós somos os autores, ele não vêm pronto, antes de nascermos ele está em branco, ao nascermos introduzimos as primeiras passagens – um começo e com o tempo através das escolhas vamos escrevendo-o página por página, rabiscadas, rasgadas ou marcadas, onde encontramos obstáculos, nos últimos dias de vida concluiremos, e no final deixamos nossas historias marcadas no coração daqueles, que sempre farão parte de nossa historia.

Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo, é renovar as esperanças na vida e o mais importante, acreditar em você de novo.

As lembranças passadas ficam, vivemos o que era pra ser vivido.

Reconstrua seu telhado e crie forças para ser forte diante dos conflitos.

Arte de viver.

Maria de Lourdes Batista.

Para quem é meu Trabalho

Para quem tem conflitos

 Vou começar  destacando essas 05 frases que  podem acabar com qualquer conflito segundo alguns autores.  

1. Sim, tem razão… 

Cria possibilidades do outro passar a escutar, a ter um diálogo

 2. Como posso resolver esse problema?
Se isso ocorrer no trabalho busque informações para que o erro seja reparado.
 3.Vamos ver isso de uma perspectiva diferente.
Analise o problema de vários ângulos. A possibilidade de resolver a tensão é maior.
 

4. Bem, eu entendo você!  

Essa frase quebra um ciclo de mal entendidos. Será o primeiro passo para resolver o conflito sem discutir ou gritar.

5. Vamos dar uma pausa, refletir e depois decidimos. 

Dar uma pausa, respirar, ajuda na relação. O conflito poderá terminar naturalmente. 

 Como acontece os conflitos?  

As pessoas sempre fazem perguntas, e as vezes não encontram ou não querem encontrar respostas. Parece que a vida é feita de problemas, de doenças, de discussões e do sentimento de não ser amado(a).  

O que  importa é saber lidar com cada situação, como gerenciar o mal estar que se estabelece, quando  os dois não querem baixar a guarda. 

No relacionamento conjugal os filhos que saem prejudicados, pois o casal discute na frente deles. Causando alguma dificuldade posterior. 

Conheça o Programa 

A Arte de viver sem  CONFLITOS.

Maria de Lourdes Batista

 

 

Apostila de Artes –

Ensino Médio.

O filho do homem

Plano de Aula :     2º. BIMESTRE  –       3º. ANO –        Dia 06/05/2019

  1. Tema: Pesquisar e analisar diferentes estilos visuais, contextualizando-os no tempo e no espaço.
  2. Habilidades: Usar vocabulário apropriado para a análise de obras de artes visuais
  3. Objetivo – Identificar, relacionando as diferenças funções da arte, do trabalho e da produção dos artistas, no decorrer da história da humanidade.
  4. OBJETIVOS ESPECÍFICOS.

– Possibilitar ao aluno a leitura das linguagens da Arte presentes em vários contextos históricos.

– Enfatizar a importância de cada um assumir seu papel na sociedade.

    5.    AVALIAÇÕES: portfolio/caderno, exercícios de verificação dos conteúdos aplicados (vistos) , avaliação bimestral, projetos.

Tema da aula: Surrealismo 

Método: Aula expositiva  e desenho

Recurso:  texto sobre o automatismo surrealista e a técnica.

Desenvolvimento:

1.Falar do 2º. Bimestre –

2. Tema da aula: Surrealismo –  mostrar as  fotos das telas – 

3.Logo após colocar na lousa sobre Surrealismo – coisas pontuais..

4. Aplicar a técnica do   AUTOMATISMO  PSÍQUICO  – Explicar o inconsciente

O Surrealismo tem início em Paris, no ano de 1924. O contexto é  de guerra I e II  Guerra Mundial. Porém, a influência deste movimento chegou, até aos nossos dias.

A ausência de lógica levantada pelos dadaístas segue no movimento Surrealista, porém, no Surrealismo os artistas não desejam saber o que é a arte, mas: O que é o ser humano? O que ele pensa?

Sob a liderança de André Breton (1896-1966) é ele quem desenvolve toda a ideia do movimento, mas o artista que mais se destaca é Salvador Dalí.  Dalí foi o artista que mais produziu. Produzia filmes, peças de teatro e, muitos quadros. No Brasil, é possível encontrar características do surrealismo nas obras de Tarsila do Amaral e Ismael Nery, Cícero Dias.

Aplicar: AUTOMATISMO  PSÍQUICO – SURREALISTAS

Deixar fluir o nosso inconsciente.

Deixar fluir o que vier na cabeça.

Podemos inspirar nas ideias do nosso colega. Isso se chama influência.

Deixar fluir uma imagem surrealista

No momento que vão desenhando podem ir conversando sobre a ideia que vai surgindo

As obras surrealistas foram essenciais para mostrar como “é tênue a distinção entre saúde e doença mental”.

O automatismo surrealista é um método de fazer arte no qual o artista suprime o controle consciente sobre o processo de produção, permitindo que a mente inconsciente tenha grande influência.
O automatismo tomou muitas formas: a escrita e o desenho automáticos, inicialmente (e ainda hoje) explorados pelos surrealistas, podem ser comparados a fenômenos semelhantes ou paralelos, como a improvisação não-idiomática. “Puro automatismo psíquico” foi como André Breton definiu o surrealismo e, embora a definição tenha se mostrado capaz de expansão significativa, o automatismo continua sendo de primordial importância no movimento.

O desenho automático foi iniciado por André Masson, mas os artistas que também praticavam o desenho automático na mesma época incluem o artista inglês Austin Osman Spare e na França Joan Miró, Salvador Dali, Jean Arp e André Breton. O artistas surrealistas  descobriram que seu uso do “desenho automático” não era inteiramente automático, mas envolvia alguma forma de intervenção consciente para tornar a imagem ou pintura visualmente aceitável ou compreensível “… Masson admitiu que o seu” imagens automáticas envolviam um processo duplo de atividade inconsciente e consciente …

Esse plano faz parte da Apostila para o Professor de Arte.

Entre em contato

WhatsaApp: 037998265019

Para quem é o meu trabalho

Para quem tem vícios

Que tipo de vício você tem? Num primeiro momento você pode dizer, nenhum. Não bebo, não fumo, não uso drogas.

Leia essa história:

Um amigo que mora na Nova Zelândia me mandou um e-mail
no qual dizia que achava que ia morrer naquele ano. Imediatamente
liguei para ele para saber o que estava acontecendo e como ajudá-lo. Na
conversa, ele me confidenciou: “Estou viciado”. Para mim aquilo foi
muito estranho, pois ele sempre foi atleta e nunca bebeu nem fumou.
“Como assim?”, perguntei. Ao que ele respondeu: “Você sabe que no
Brasil eu era paraquedista, e que aqui na Nova Zelândia eu também faço
base jumping”. Ele continuou: “Até aí tudo bem, a questão é que no base
jumping o objetivo é ficar em queda livre o maior tempo possível e abrir
o paraquedas o mais perto do chão que puder. E quanto mais perto do
chão mais adrenalina. Já bati seis vezes meu recorde este ano”. Foi
quando ele começou a chorar: “Perdi meus dois melhores amigos nesse
esporte e acho que sou o próximo”. Sem compreender, eu disse: “Ué,
basta liberar o paraquedas longe do chão”. Ainda abalado ele disse: “Você
não está entendendo, estou viciado em adrenalina e em perigo. Eu não
consigo abrir minha mão e soltar o paraquedas até que eu tenha a carga
de adrenalina de que preciso. É vício. Foi assim que meus amigos morreram e eu serei o próximo.

Vícios emocionais que atrapalham no relacionamento

Listo aqui os vícios emocionais

Vitimização ( )
Raiva ( )
Problemas ( )
Estresse ( )
Controle ( )
Ajudar os outros ( )
Atividade constante/não se permitir parar ( )
Tristeza ( )
Doença ( )
Solidão ( )
Abandono ( )
Ser traído ou trair ( )
Ser pobre ou ter dificuldade financeira ( )
Eternos recomeços ( )
Ser maltratado ( )
Ser lesado ou passado para trás ( )
Medo ( )
Agradar aos outros ( )
Trabalhar e produzir compulsivamente ( )
Gastar dinheiro ( )

Agradar aos outros ( )
Trabalhar e produzir compulsivamente ( )
Gastar dinheiro ( )

Então, o que ocorre é que em menor ou maior escala todos nós somos viciados em alguma coisa.

O primeiro passo é admitir, o segundo, procurar compreender esse processo de viver viciado, e o que isso está te causando.

Com ajuda do meu trabalho, você vai descobrir como lidar com o seu vício, e poder fazer escolhas para dar mais sentido a sua vida.

Leia mais sobre para quem é meu trabalho:

https://www.apsicologiaonline.com.br/categoria-produto/projeto-arte-de-viver/

WhatsApp chat