• Home
  • Archive by category "Psicoterapia"

História de vida de  um  adolescente infrator dependente químico.

Esse texto propõe uma reflexão acerca da questão do Adolescente Infrator, pois é de fundamental importância para entender o fenômeno da criminalidade juvenil e a relação com o uso indevido de substâncias psicoativas e seu relacionamento familiar. Da mesma forma, como orientar as famílias para diminuir o índice de criminalidade.

Quanto o assunto é tratamento no mundo atual onde a palavra de ordem é punir, essa discussão busca elucidar alguns pontos, em relação ao adolescente infrator, que tem se mostrado bem polêmica.

A experiência  vem demonstrando que esse tema para muitos, ainda não satisfaz os interesses da sociedade.  Esta, por sua vez, tem demonstrado uma desvalorização acerca do assunto, exigindo respostas, por parte do Estado, cada vez mais severas e assim os adolescentes vão ficando a margem.

O ECA Estatuto da Criança e do Adolescente, prevê os seguintes aspectos: são crianças, as pessoas com idade de até 12 anos incompletos e adolescentes, as pessoas de 12 anos até 18 anos incompletos e estão em face de desenvolvimento.  Segundo o ECA, só cabe internação quando o ato infracional foi cometido mediante grave ameaça ou violência, reiteração no cometimento de infrações ou descumprimento reiterado das medidas aplicadas. Adolescentes primários envolvidos com drogas devem cumprir medida em liberdade.

Então, ato infracional é a conduta praticada pelo adolescente que corresponde, no Código Penal a Crime ou Contravenção. Segundo autor Muniz, não receberá o adolescente uma pena e sim uma medida socioeducativa.  Que às vezes não colabora para que o adolescente não venha recair e assim aumentar seu processo de infrações.

As demandas de tratamento em dependência química para o adolescente infrator é uma questão emergencial. A reclusão vira tratamento para adolescentes dependentes químicos, nesse sentido “o Ministério da Justiça analisou 247 processos juvenis e acaba de detectar que parte dos meninos e meninas que vai para trás das grades de todo País é privada de liberdade por falta de alternativa de atendimento de saúde.”

Os adolescentes entram “no tráfico para sustentar o vício, usam para ter coragem de vender, começam a vender e depois passam a usar,”

É um ciclo que poderia ser interrompido com a interferência do tratamento médico em todos os sentidos.

Nas discussões sobre o tratamento para o adolescente autor do ato infracional, os questionamentos são esses: É possível obrigar alguém a se submeter a um tratamento? É possível e útil proceder com a internação compulsória para tratamento do uso abusivo de álcool e outras drogas?  Entretanto, a lei antidrogas prevê que o agente considerado inimputável (por não entender, em razão da dependência, o caráter ilícito do crime) deve ser encaminhado pelo juiz a tratamento médico (art. 45).

As políticas públicas sobre drogas tentam mobilizar a sociedade para o seu papel de auxiliar no tratamento dos adolescentes infratores que fazem o uso de substancias psicoativas, primeiramente buscando compreender por que os adolescentes infratores possuem uma ausência do referencial de origem, ou seja, “quem são meus pais, onde estão, para onde vou quem me orientará como vou sobreviver. Estas são apenas algumas questões que estão presentes para os adolescentes”,  porém, não estão entre as principais preocupações dos responsáveis pelas instituições e autoridades.

A partir destas considerações a respeito do tratamento aos adolescentes infratores, poderíamos dizer que este resta prejudicado, pois os adolescentes acabem não tendo atendimento especializado. Muitas vezes, os tratamentos disponíveis não contribuem para a criatividade e a individualidade dos jovens, sendo forçados ao convívio com outros jovens da mesma origem, abandonados, num local que têm as mesmas características físicas, quanto ao modo de vestir, de andar, de cheirar, de falar, ficando confinados num mesmo local, sem direito a tratamento especializado.

De acordo com a discussão, podemos dizer que as instituições têm favorecido o desenvolvimento da identidade do adolescente Infrator, tanto no processo de Criminalização quanto o da Prisonização. Pelo próprio conteúdo das medidas, as ações que as compõem devem sempre envolver o contexto social em que se insere o(a) adolescente, isto é, a família, a comunidade e o Poder Público devem estar necessariamente  comprometidos para que se atinja o fim almejado de inclusão desse(a) adolescente.

Entre as diversas questões colocadas em relação à adolescência, uma delas que se inscreve na temática é que a adolescência é uma fase do ciclo da vida, em que o indivíduo passa por grandes mudanças, por isso é importante compreender a adolescência e “as  transformações que  afetam o adolescente  dentro dos  aspectos; biológicos, psicológico, sociais e culturais,” (OSÓRIO, 1989, p. 10).  São elementos que não podem ser vistos de forma separada, pois é pelo conjunto de suas características que podemos conferir a unidade ao fenômeno da adolescência, auxiliando na compreensão de seu comportamento.

Delimitar adolescência é uma tarefa importante, tendo em vista que é uma fase marcada por mudanças e de perdas significativas,

A adolescência precisa ser considerada em sua real significação, um momento crucial na vida do indivíduo que se constitui em uma etapa decisiva no processo natural e normal de crescimento. É o imperativo de ingressar no mundo dos adultos e a definitiva perda da condição de criança.  (ALVES, 2002, p. 40)

A adolescência é um momento em que o adolescente se depara com suas crises, “a expressão CRISE do grego Krisis – ato ou faculdade de distinguir, escolher, decidir, ou resolver, a adolescência é uma crise vital, como são tantas outras ao longo do desenvolvimento do indivíduo” (OSÓRIO, 1989, p. 14).  Dessa forma, a chamada crise da adolescência, envolve os conflitos externos, como conflitos de gerações, e os processos psíquicos marcados por valores diferentes.

Portanto, não poder ser estudo apenas sob maneira de ver a suas modificações corporais e que sem o adequado entendimento da crise de valores por que passa o adolescente, jamais podemos compreender o real significado da transformação da criança em adulto.  Nessa perspectiva temos então as transformações psicossociais que as acompanham e caracteriza a adolescência.

Assim, a adolescência, caracterizada por mudanças rápidas no físico, no psicológico e no social, implica na crise de identidade. Por isso que a adolescência é o período por excelência de risco para o ingresso no uso de substâncias psicoativas. Não só pelo fato de querer experienciar o novo, buscar novas emoções e desafios, mas também encontrar nessas novas buscas  respostas  para o seu viver.

A adolescência é o segundo nascimento. O primeiro, evidentemente, é o nascimento biológico, do qual nada lembramos. O que sabemos do nascimento biológico são pelas informações de nossos pais. Já, a adolescência, é um novo despertar para vida. “É o segundo nascimento, em todos os sentidos, incluindo o físico, pois o corpo passa por significativas transformações. O adolescente não pode abrir mão de elaborar esse novo nascimento; precisa ser sujeito de sua história.”

Ao abandonar sua maneira de comunicação infantil e passa para uma forma adulta de expressão, o adolescente tem uma identidade linguística […] “ à sua condição de adolescente, a gíria, que é um subproduto da cultura adolescente e constitui a expressão verbal do processo de diferenciação do adolescente  dos pais e do mundo adulto geral.”

Uma vez que as questões de  rebeldia, da contestação que estão presentes também  na adolescência, parece que existe neste contexto  uma adolescência normal, pois   “em todas as épocas e  latitudes o adolescente sempre foi um contestador, um buscador de novas identidades, testando diferentes formas de relacionar-se”, (Osório, 1989, p. 37).   Ou seja, alguns líderes de hoje foram adolescentes contestadores.

Neste histórico desenvolvido de forma a explorar as reflexões  de  Osório(1989) , quando no seu livro contextualiza adolescência hoje, e no desenvolvimento desta fase “a adolescência vai se caracterizar pelo afastamento do seio familiar e consequente imersão no mundo adulto. As mudanças estão acontecendo e não dá ainda para prever como serão estes futuros adultos” (Osório, 1989, p. 37).

Daí surge o afastamento familiar, o que aprendeu na sua relação com a família e adaptação social, “faz com que o mesmo tenha que significar o novo, o que acarreta toda uma mudança em sua personalidade. E a primeira reação afetiva da criança a esta invasão é buscar um refúgio em seu mundo interno; para poder enfrentar depois o futuro.“

Enfim, com este afastamento que o adolescente faz do mundo externo para refugiar-se no mundo interno, é para se sentir seguro, porque em todo o crescimento existe um impulso para o desconhecido e um temor ao desconhecido. No momento de conquistar um espaço, e viver com o  seu novo papel frente ao mundo externo “o adolescente exige de seus pais a liberdade, esta implica nas saídas e horários, a liberdade de defender uma ideologia e a liberdade de viver um amor e um trabalho.

Aguardem o texto 02

Depoimento de um adolescente infrator e seu uso de drogas.

O Sonho e a Psicoterapia

O Sonho e a Terapia

Todos nós sonhamos, uns mais, outros menos. Sonhos bons e sonhos ruins. E muitas vezes procuramos sem sucesso significados para eles.

Segundo a neurologia o sonho faz parte do ciclo normal do sono, tendo relação com período de sono REM – Rapid Eyes Moviment. Mas os sonhos já foram considerados sinais divinos e previsões do futuro pelos antigos egípcios, por exemplo, além de alvo de estudo no comportamento do ser humano desde o século passado.Na psicologia, a teoria mais conhecida a lidar com o sonho é a do Freud (psicanalista). Segundo ele, o sonho seria o cumprimento disfarçado de um desejo reprimido. Muitas vezes não pensamos que outras linhas teóricas trabalhem ou possam trabalhar com sonhos. Porém o sonho é um material importante e pode ser muito trabalhado em terapia, principalmente a comportamental.

Para a psicologia comportamental os sonhos fazem parte de uma classe de comportamentos chamada de ‘encobertos’. Na maioria das vezes os sonhos aparecem de forma metafórica, pois isso favorece a expressão de sentimentos, ideias e fantasias que podem ser difíceis de ser vistos de outra forma.Por causa do sonho se apresentar desta forma que muitas vezes precisamos de ajuda para interpretá-los. É a partir do relato do sonho que o terapeuta aprende mais sobre a subjetividade do seu paciente, buscando interpretar o que o paciente diz e descobrir a ligação entre o sonho e o comportamento apresentado, para então trabalhar em conjunto na melhor solução para o caso.

Sonho em Gestalt – Uma Vivência no Aqui e Agora.

É de extrema relevância  trabalhar junto com o cliente o sonho para trazer mudanças à sua vida, de forma que o possibilite conduzi-la com autonomia. Através de um único sonho relatado pela cliente é possível proporcionar reflexões em sua vida nos mais diversos aspectos, sociais, profissionais, individuais, emocionais, intelectuais, acontecimentos do passado, presente e futuro.

Os sonhos em Gestalt-Terapia não é uma prática de investigação e interpretação de momentos passados da vida da cliente, como nos foi legado pela Psicanálise, a qual ainda é uma das principais referências no que diz respeito a sonhos. Pela vertente Gestáltica o trabalhar com sonhos se fás sem interpretações do terapeuta, porém, com uma postura ativa e questionadora, e enfatiza-se o momento atual da vida da cliente, englobando o todo e o particular, dando-lhe condições para se responsabilizar por sua vida de maneira ativa e transformadora.

O trabalho com sonhos trás benefícios, e desenvolvem esforços próprios  e uma maior capacidade de gerar mudanças em sua vida. Desde o momento da concepção, tem início nos seres humanos um processo de transformação que continuará até o final da vida.

Saiba lidar com suas frustrações

A frustração é o sentimento que surge quando não realizamos um desejo ou uma necessidade pessoal, ou seja, é a reação a uma expectativa não correspondida.

Gerando também o sentimento de impotência. Apesar de parecer um sentimento decorrente de situações de fracasso, a frustração é de extrema importância para a nossa constituição psicológica. Apesar de ser algo bastante comum, pode ser doloroso e até mesmo incapacitante para algumas pessoas. Muitas pessoas chegam a parar suas vidas por frustrações vividas. Deixando assim de se permitir.

Existem vários motivos para se sentir frustrado.

Basicamente, a frustração e o sentimento de perda, acontecem quando o indivíduo se sente derrotado e incapaz por não obter algo que deseja, apesar de seus esforços para consegui-lo. Ou, ainda, por não ver realizadas as suas expectativas em relação à determinada pessoa ou situação.

Todos nós podemos ser decepcionados ou nos sentirmos frustrados em praticamente todas as áreas da nossa vida, desde o trabalho, até os relacionamentos. Ou, mais frequentemente, com nós mesmos, com nossas auto exigências. Não. Não somos perfeitos, e isso por si só gera frustração, principalmente quando nos comparamos a outras pessoas.

Nunca se compare com o outro, cada um tem suas particularidades.

Se não soubermos lidar com nossas frustrações, supera-las e tê-las como gatilho para seguir em frente, logo estaremos imobilizado por elas. Podendo assim, ocasionar a consequências desastrosas e a vivencia de um sentimento estável de frustação. Podendo desencadear depressão, agressividade, baixa autoestima, traumas e ate mesmo pensamentos suicidas.

Algumas consequências de uma frustração não superada ou controlada:

Raiva

É o famoso “descontar” os problemas em algo ou alguém. Não é raro ver pessoas frustradas, por exemplo, dando murros na parede. Ou, pior ainda, agredindo seus familiares. Depois dessas explosões, além da frustração, vêm o remorso, a autoacusação e mais frustração consigo mesmo, o que leva a um ciclo vicioso difícil de ser interrompido sem ajuda e psicoterapia.

Desânimo

A pessoa perde a vontade de reagir, já que “nada dá certo mesmo”. Para a depressão, e até mesmo às tendências suicidas, é só um passo. Pessoas assim precisam de apoio e incentivo por parte dos seus familiares mais próximos.

Fuga

Se alguma situação deixa a pessoa infeliz e frustrada por não saber lidar com ela, passa a evitar aquela circunstância. Acontece com pessoas tímidas, que não conseguem se relacionar com outras pessoas e, em consequência de não saber lidar com isso, acabam se isolando cada vez mais. Algumas pessoas tendem a “fugir” através da bebida, das drogas ou excesso de comida.

Compensação

O indivíduo acaba se compensando por suas frustrações com coisas que o façam se sentir melhor, mesmo que temporariamente. O perigo é que muitas dessas atitudes podem ser altamente destrutivas, como o vício em bebida, compulsão alimentar que pode desencadear a graves doenças por exemplo.

Pratique a resiliência.

Não deposite suas expectativas em outras pessoas ou situações. Nada nem ninguém vale o seu desequilíbrio emocional. Saiba aceitar suas limitações. Saiba lidar com a imperfeição. Procure entender claramente as causas de suas frustrações, assim você poderá obter mudança diante do seu autoconhecimento. O autoconhecimento é necessário para vivermos bem com nos mesmos e com os outros.

Muitas vezes, não conseguimos “enxergar a luz no fim do túnel”  sozinhos, nesse sentido, é necessária a ajuda psicoterápica. Um bom psicólogo ajudará você a entender os motivos pelos quais se sente frustrado, como lidar com eles e desenvolver resiliência, que é a capacidade que a pessoa tem de se adaptar às situações, mesmo elas sendo adversas ou não esperadas naquele momento.

Invista em você, viva bem, viva feliz, faça terapia!

A importância do atendimento online

A internet tem permitido uma facilidade para a vida das pessoas. Muitas consideram que aumenta a conectividade entre elas, diminuindo a distância e facilitando na comunicação como um todo, mas, principalmente, este meio de comunicação gera um bom rendimento no tempo gasto nas tarefas pessoais e profissionais.
As indicações para este tipo de atendimento são variadas, desde orientações de como proceder diante de relacionamentos amorosos, profissionais, entre pais e filhos e orientação profissional até acompanhamento e orientação no desenvolvimento da criança e do adolescente, entre outras demandas (EVARISTO, 2011). O autor Prado (2002)  afirma: a pessoa que busca a terapia online tem como vantagem a fácil acessibilidade, pois as que moram em localidades onde não se encontram profissionais especializados podem ter acesso; bem como, as pessoas tímidas podem se sentir mais a vontade para falar de seus medos e angústias.

Segundo Pinto (2002), “muitos profissionais reagem como se a intermediação do computador retirasse toda a qualidade terapêutica de suas intervenções” (p. 170), porém a autora considera que essas home-pages de orientação, principalmente as de orientação vocacional, são de grande ajuda para a proliferação da Psicologia e suas áreas de atuação, podendo ser consideradas como um segundo tipo de inserção psicológica. A autora ainda cita que outra vantagem de se exercer o atendimento psicológico pela internet é a diminuição que pode ser feita no custo do trabalho, isso pode acontecer porque não é necessário ao profissional Psicólogo se utilizar de consultórios.

Agende pelo e-mail: contato@apsicologiaonline.com.br ou pelo Whatsapp 37 998265019

Fonte:  Psicologado.com.br

Quais são as correntes que te prendem?

Você sabia que nossa mente é a maior responsável por nosso sucesso, fracasso, felicidade, tristeza, entre tantos outros sentimentos?

Tudo tem início na mente. Nossos desejos, sonhos, pensamentos, dificuldades, desafios, sucesso, enfim, antes de sentirmos, pensarmos, a mente do ser humano grava e executa tudo que lhe é enviado. É essencial para o nosso equilíbrio emocional e mental filtrar o que cultivamos nela.

É necessário ter o autoconhecimento, para saber o que  realmente tem tido  efeito em nossa vida, e o que é apenas uma corrente mental que nos aprisiona, nos deixa incapazes de agir, de obter sucesso em qualquer área de nossa vida, que gera medo, insegurança, frustação e tristeza. Muitos estão presos em correntes invisíveis, que só existem no nosso pensamento não filtrado: o medo de fracassar, o medo de perder algo ou alguém, a vergonha.  Por vezes deixamos de fazer o que realmente temos vocação por medo de fracassar. Impossibilitando  viver uma realização pessoal verdadeira e prazerosa. São essas correntes que impedem de ir além, seja no seu relacionamento interpessoal, vida sentimental, financeira…

A tristeza e angústia. É fato que  perdemos tanto tempo com algo que nos fez mal, que nos feriu, que  esquecemos de seguir em frente. Estamos  ali remoendo, presos. Por mais que seja difícil passar por tribulações, somos capazes e devemos seguir em frente, tirar da mente e do nosso coração os sentimentos que nos aprisionam.  Temos momentos ainda melhores para viver do que aqueles que ficaram no passado.

Dependência e comodismo –  um de nossos maiores erros é se acomodar com o que esta BOM, se temos o MELHOR a nossa frente. Se você não for atrás de seus ideais eles não irão bater em sua porta. Até chegarmos a um futuro brilhante, temos uma jornada pela frente, de muito trabalho e dedicação…

Durante nossa jornada, também não devemos cair na dependência de alguém, que possa fazer algo por você, ou que seja a razão de seu viver.  Pois se você encontrar alguém que ocupe o lugar que é seu, ele não irá agir por você, e sim por ele só.  Há coisas que somente nós podemos fazer por nós mesmos.  Visualize você sorrindo, se olhe no espelho e dê um sorriso de bom dia para você ao acordar. Eleve sua autoestima. Dê boas-vindas ao seu dia. Pense positivo sempre ao acordar.

Quem cultiva pensamentos que promovem ânimo e coragem, com certeza prosseguirá de encontro ao seu alvo pessoal. Tendo consciência que pensamentos positivos me proporcionarão sentimentos agradáveis e que promoverão a minha paz, leveza, felicidade e realizações. Por que perderei meu tempo precioso inutilmente, cultivando sentimentos ou emoções destrutivas como o desânimo, medo, raiva e magoa?

Isto não é fácil! Sinceramente é muito difícil, porém possível. Busque ajuda, busque se autoconhecer, busque alguém para conversar e te ajudar a chegar a pontos estratégicos para uma mudança, e para a quebra dessas correntes destrutivas em nosso pensamento. Faca terapia!

Qual o seu grau de descontrole emocional?

Você sabia?

desequilíbrio emocional é caracterizado pelas alterações de humor e facilidade em “sair do eixo” diante de acontecimentos negativos e imprevistos. As responsabilidades diárias, a sobrecarga profissional, os relacionamentos amorosos, as frustrações e a necessidade de se adequar aos padrões impostos pela sociedade são alguns fatores que podem causar sérios desequilíbrios. O descontrole emocional pode ser acompanhado por arrependimentos, que por vezes vemos irremediáveis. Não é possível voltar atrás e no tempo, mudar ações impensadas ou precipitadas. Mas você pode começar a ver tudo de outra forma, pode tirar proveito dessas situações ao invés de ficar remoendo e sofrendo.

Temperamento forte ou transtorno bipolar?

Saiba que e os dois podem estar ligados. E você pode estar sofrendo desse mal, que se não identificado e tratado pode te ocasionar a vários problemas. Temperamento forte pode significar uma pessoa que sabe o que quer, mas também significa uma pessoa muito difícil de lidar. Quando este temperamento incorre em descontrole emocional? Uma das possibilidades para entender esta pessoa seria o diagnóstico do transtorno bipolar.

A bipolaridade é um transtorno mental onde a pessoa não reage ao que acontece da forma que se espera, não responde proporcionalmente a ocasião, ou ela fica muito agitada, agressiva, explosiva, impulsiva e distraída, e sem se ter nada que justifique essas reações, ou em outros momentos o comportamento é apático, desanimado, triste, ansioso, não sente prazer nas coisas e isso também em situações onde não há elementos que justifiquem estas ações.

Quando os sintomas são mais brandos dizemos que a pessoa tem episódios de descontrole emocional, mas quando são tão intensos a ponto de causar graves prejuízos pessoais pode caracterizar um transtorno bipolar. Algumas pessoas são mais sensíveis e estão mais suscetíveis a esses acontecimentos, mas isso não quer dizer que não pode acontecer com qualquer pessoa. As emoções estão presentes em todas as situações da vida, e quando elas estão em desarmonia, podem fazer com que você se porte de maneira inadequada e tenha prejuízos em sua saúde e relacionamentos.

O desequilíbrio emocional não é responsável apenas por causar sintomas mentais e sentimentais. Ele pode causar diversos problemas físicos, tais como: fortes dores musculares, dores de cabeça, gastrite, estresse e até mesmo depressão. Saiba que nossa mente é a maior responsável por nossa felicidade, nossa saúde, nossas conquistas… Tudo começa na mente. Trabalhe sua mente e as causas de seu desequilíbrio.

Preste atenção no que está causando o seu desequilíbrio emocional.

Pode ser o excesso de trabalho, algum problema pessoal, em relacionamentos, ou de saúde. Até mesmo os traumas não tratados, podem levar ao desequilíbrio emocional e até a bipolaridade. Somos tendenciados a esconder problemas e fazer de conta que nada está acontecendo. Tente descobrir o que está  deixando o seu emocional abalado e encontre alternativas de entrar novamente no eixo. Busque um amigo, e também um psicólogo.

Seja autoconfiante. Seu estado de desequilíbrio emocional não pode e nem deve afetar sua confiança, seu potencial e suas qualidades. Você pode, você consegue  e você é incrível. Todos nos podemos hoje, ser melhores que ontem. Volte e retome o controle, domine a raiva, pense positivo, não deixe que a tristeza e os sentimentos que te fazem mal dominem você. Pense nos motivos que você tem para agradecer e ser feliz.

Seja otimista. Ninguém gosta de estar ao lado de pessoas negativas, que reclamam o tempo todo. Pessoas negativas geram ambientes negativos. Se você está sempre com pensamentos negativos, isso vai piorar ainda mais o quadro emocional. Tente pensar positivo e emanar energias positivas. Seu emocional irá agradecer.

Inteligência Emocional é a capacidade de sentir, entender, controlar e modificar o seu próprio estado emocional ou de outra pessoa.  Invista em você, invista na terapia. Ela irá te ajudar a viver leve e feliz.

 

Diferencie os episódios de preocupação normal e um período “obsessivo”

Saiba que para tudo existe um tratamento, uma solução, uma escolha. Escolha fazer terapia, ela irá te ajudar a se autoconhecer, a se livrar desse sentimento que é tão prejudicial. Quebre as algemas da obsessão.

Diferencie os episódios de preocupação normal e um período “obsessivo” .

Os seguintes pontos podem te ajudar a identificar uma obsessão:

  • Sua preocupação é realista? O motivo da sua preocupação é pouco provável e você está antecipando um fato que é muito improvável ou impossível de acontecer?
  • Sua preocupação é desmedida? A quantidade de preocupação não corresponde com a gravidade do problema ou com o assunto que você não para de revirar em sua cabeça.
  • Você passa uma grande parte do dia pensando em um assunto ou sobre um problema concreto? Você passa o dia inteiro se preocupando ao ponto de que isso interfira em seu dia a dia?
  • Você sente um mal-estar por estar constantemente com essa ideia? As obsessões geram um grande mal-estar, e você gostaria de eliminá-las de sua mente, mesmo que isso pareça impossível.
  • Estes pensamentos te forçam a fazer algo que você sabe que é absurdo ou que não vai solucionar o problema, mas mesmo assim você faz? Lavar constantemente as mãos, abrir e fechar qualquer porta um determinado número de vezes, não tocar nenhum objeto com as mãos, etc.
  • Você sente vergonha de reconhecer isso para os outros? Você sabe que tem um problema, que seu pensamento e/ou comportamento não é “normal”, mas prefere manter em segredo porque ninguém vai te entender ou vão pensar que você é estranho.
  • Você não pode controlar seu aparecimento nem sua duração? Os pensamentos que te atrapalham aparecem de repente, sem avisar, e você pouco pode fazer na tentativa de controlá-los e fazer com que eles desapareçam.

Se você respondeu sim a alguns quesitos, você sofre sim de algum tipo de obsessão. Busque ajuda, busque a terapia. A profissional ira se aprofundar e analisar o problema e sua causa.

Também existem algumas dicas de Inteligência Emocional que ira te ajudar a barrar os pensamentos e comportamentos obsessivos por alguém ou algo:

Trabalhe seu amor próprio

Você pode todas as coisas! Não mendigue o amor e atenção do outro. Preocupe-se com você. Evite depositar todas as suas expectativas em determinada relação. Para que você possa desenvolver seu amor próprio, é necessário entender que ninguém é capaz de suprir suas necessidades emocionais além de você mesmo. Para ser feliz em qualquer relacionamento, é preciso saber ser feliz sozinho.

Eleve sua autoestima

Pessoas com baixa autoestima podem desenvolver obsessões e a possessividade. Para que isso não ocorra, é fundamental olhar para suas feridas emocionais, entender quais são suas crenças limitantes e começar a perceber e dissolver esses padrões de comportamento. O autoconhecimento é fundamental, dar luz as questões que precisam ser trabalhadas e também perceber suas qualidades e habilidades. Se arrume, coloque sua melhor roupa, tire um tempo para você, para sua autoestima, se olhe no espelho e veja o quão poderosa (o) você pode ser se quiser.

Trabalhe suas inseguranças

A falta de confiança em si mesmo, nas suas habilidades e capacidades gera uma sensação constante de ameaça. Dê um voto de confiança para si mesmo e confie mais no seu próprio taco.

Não tente controlar o incontrolável

É impossível obrigar alguém a gostar de você ou exigir que a pessoa fique ao seu lado. Então, para que perder tempo e energia sufocando e limitando alguém? É muito mais saudável e produtivo cuidar de si e das próprias emoções, tornando-se uma pessoa mais equilibrada, feliz e saudável. Dessa maneira, a convivência com as pessoas que você ama terá muito mais qualidade e harmonia.

Temos uma vida breve, que passa muito rápido. Nesse breve tempo que temos, saibamos buscar qualidade de vida, buscar objetivos, realizações, elimine os traumas, elimine situações e sentimentos tóxicos. Tranquilidade, leveza, paz interior, autocontrole e autoconhecimento fazem bem para você e sua saúde agradece.

Viva Feliz! Busque a terapia.

 

Obsessão, um sentimento que pode arruinar relações

Até onde é preocupação? Onde passa a ser obsessão?

Todos nos já tivemos uma preocupação com alguém, que perturbou nossa mente e nos deixou aflitos. Isso é normal. Desde que não prejudique excessivamente o caminhar de nossas vidas.

Quando amamos alguém certamente nos preocupamos com aquela pessoa. Mas, há pessoas que se preocupam mais do que o normal, com coisas ou pessoas que não merecem, ou precisem de tanta atenção ou angústia. Gerando ai um sentimento obsessivo.

 As obsessões são a prisão do pensamento

Embora a possessividade, o ciúmes em excesso, a dependência e a obsessão sejam sentimentos geralmente associados aos relacionamentos amorosos, eles podem se manifestar em qualquer tipo de relação. A obsessão esta ligada com traumas vividos. Indivíduos que desenvolvem obsessão por alguém, são aqueles que nutrem um medo muito grande do abandono e da rejeição. Um temor que normalmente está associado à vivência de situações de rejeição durante a infância.

A bipolaridade também esta associada à obsessão. Pessoas que desenvolve esse sentimento tem grande insegurança, falta de autoconhecimento, autocontrole e autoestima.

 Existem vários tipos de obsessão.

Seja por pai, mãe, namorado (a), marido, esposa, filhos. Existem também as obsessão por situações. Obsessão por perfeição, por limpeza, obsessão por trabalho, por dinheiro… Tudo que ultrapasse a linha do normal e prejudique sua vida esta se caminhando para um problema que precisa ser tratado: uma obsessão.

Conviver com pessoas obsessivas é muito desgastante, uma vez que elas tendem a exigir muito e não deixam espaço para outros interesses e necessidades. E muitas dessas pessoas, têm ciência de sua obsessão, tem o desejo de se livrar dela, mas não sabem como. Há muitos casos em que o sentimento obsessivo leva a violência e ate mesmo a tragédias.

Faço o curso: http://www.apsicologiaonline.com.br/produto/etapas-para-o-crescimento-dos-meus-relacionamentos/

 

O poder das redes sociais

Em pleno ano de 2018, difícil é encontrar alguém que não use nenhuma rede social. Essa tecnologia que a cada dia vem ganhando mais espaço em nossas vidas, com suas inovações, cresce mais e nos deixa por vezes mais dependentes desse meio.

Você já se imaginou sem seu celular? Whatsapp? Facebook? Instagram?

Como foi que essas redes sociais, ganharam tanto poder sobre nossas vidas, a ponto de mudar tanto a nossa forma de comunicação e relacionamentos?

Em tempos de correria, tantos afazeres, compromissos, obrigações, qualquer coisa que nos dê um pouco de praticidade e comodidade já nos fascina e nos aprisiona.  E mesmo  que inconscientemente, nos deixamos levar, pelo simples fato de podermos resolver tudo com mais praticidade, seja pelo celular  ou pelas redes sociais.

Por  vezes, esquecemos do valor que tem uma conversa, um olho no olho, uma presença física, um gesto de carinho presencial. Ficamos tão deslumbrados com o poder da internet que muitas coisas passam despercebidas ao nosso redor.

Saiba que filhos, pais, avós, esposas, maridos, por muitas vezes são deixados de lado, pelo vício que nos cerca. Por vezes eles querem um diálogo, um olho no olho, pedem socorro, e nós estamos tão ocupados com nossos celulares que nem se quer conseguimos notar.

Saiba que devido ao mau uso das redes sociais os índices de suicídio, depressão, entre outros… Tem aumentado gradativamente.

Diante de tudo, sabemos os  benefícios da internet. Encontramos muitas coisas produtivas, informações, adquirimos muitos conhecimentos. Mas VIGIE;  analise até onde tem sido bom e saudável,  onde tem privado os relacionamentos saudáveis, e também  uma boa convivência com os que te cercam.

Talvez nossos pais, avós, ainda não tiveram um contato com as redes sociais, por isso muitas vezes podem se sentir sozinhos, solitários, deslocados, necessitados de carinho e atenção.

Depoimento

”Já presenciei uma cena a qual me fez refletir. Duas irmãs, uma chegou na casa da outra. Uma não tinha contato com redes sociais, a outra por sinal era bem antenada. Tudo que a irmã conversava com a outra irmã antenada não obtinha respostas,  não  demonstrava interesse, por  vezes se ouvia uma resposta do tipo – a, é, aham, ata.  A irmã que estava tão ligada às redes sociais, nem se quer conseguia prestar atenção no que a irmã falava. Frustrada e aparentemente triste, aquela irmã foi embora.  E somente depois de meia hora a irmã notou sua ausência.“

Reflita, é esse tipo relacionamento que você quer ter?

Se não, comece a vigiar e a ter  aquele tempinho  precioso para realmente estar com alguém. Em um mundo tão tecnológico, vamos saber usufruir com sabedoria desse mundo. Vamos valorizar uma conversa, um olho no olho, um gesto de carinho presencial.

Assim, depois dessa reflexão pergunte a si mesmo: qual o valor da sua atenção para com o outro? E saiba que dependência excessiva por redes sociais tem de ser tratada.

Como a psicologia pode ajudar?

É preciso reconhecer o problema e procurar ajuda. A busca por um tratamento psicológico traz resultados positivos, pois o psicólogo auxilia o viciado a entender o que está acontecendo e o que o levou à necessidade tão grande de estar sempre conectado.

Seja por uma fuga da realidade, por dificuldade de relacionamentos reais ou até a busca pela perfeição, que muitas vezes se alcança apenas nas redes sociais. Descobrindo o motivo fica mais fácil de tratar e solucionar o problema. O psicólogo poderá conduzir o paciente a um equilíbrio. O equilíbrio e o autoconhecimento é a base para se viver bem e feliz.

WhatsApp chat